Manifestantes da Síria e da Palestina entram em confronto durante o Fórum Social Mundial na Tunísia

Mundo

Lia Kunzer


Enviada Especial da EBC

Túnis – No penúltimo dia do Fórum Social Mundial, nessa sexta-feira (29), militantes palestinos e sírios entraram em confronto. Os palestinos lideravam uma manifestação pelo reconhecimento da Palestina, quando os gritos dos sírios abafaram os outros. Os sírios pediam o fim da interferência americana no país. “Mantenha suas mãos fora da Síria”, gritavam os manifestantes.

Houve troca de agressões e empurra-empurra. Os voluntários que trabalham no fórum correram para isolar os líderes de cada lado que trocavam provocações. Estudantes tunisianos que acompanhavam o embate lamentavam a briga. “Essa briga não é da Tunísia. Apoiamos o movimento de supremacia dos dois povos, mas é uma briga deles e não nossa”, disse um dos estudantes que não quis se identificar.

Do lado dos palestinos, um grupo queimou a bandeira de Israel. Uma estudante que participava do ato, Soumaya Ben Sghaier, disse que apoia a união dos países árabes como forma de fortalecer o povo da região.

Depois de alguns minutos, as pessoas foram dispersadas e não houve feridos. As manifestações violentas foram minoria nesses quatro dias de Fórum Social Mundial. No entanto, a universidade que sedia o evento está com várias paredes e o chão pichados. Dizeres em árabe e inglês pediam o fim do capitalismo, libertação da Palestina, entre outros.

O militante brasileiro Douglas Estevam , do Movimento dos Sem Terra, que já participou de outras edições do fórum condenou as manifestações violentas. “O fórum prega a promoção da paz, e não a guerra”, disse.

 

*Matéria originalmente publicada na Agência Brasil

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem