Mundo

Maduro reitera convite a Biden para iniciar ‘nova era’ nas relações EUA-Venezuela

O presidente da Venezuela rompeu relações com os EUA quando Washington reconheceu o opositor Juan Guaidó como ‘presidente interino’ após ele se autoproclamar em uma praça diante de uma multidão

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela. Foto: Prensa Presidencial
Apoie Siga-nos no

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reiterou na terça-feira 28 o convite ao seu contraparte dos Estados Unidos, Joe Biden, para iniciar uma “nova era” nas relações entre os dois países, baseada no “respeito” e com o levantamento das sanções econômicas.

“Vamos começar um novo tempo, uma nova era de relações de respeito e colaboração no mais alto nível entre os Estados Unidos e a Venezuela. Estamos preparados, estamos prontos, queremos isso”, disse o mandatário durante uma reunião do Conselho Nacional de Economia.

“É o consenso de todos os setores políticos, religiosos, culturais e sociais da Venezuela. Poderoso consenso, novas relações entre os Estados Unidos e a Venezuela, baseadas no respeito”, continuou.

Maduro rompeu relações com os Estados Unidos em janeiro de 2019, quando Washington reconheceu o opositor Juan Guaidó como “presidente interino” após ele se autoproclamar em uma praça diante de uma multidão.

O apoio da Casa Branca a Guaidó ocorreu após considerar a reeleição de Maduro em 2018 como “fraudulenta”. Nos últimos meses, Washington e Caracas tiveram alguns aproximações devido a interesses energéticos.

No entanto, o chefe da diplomacia dos Estados Unidos para a América Latina, Brian Nichols, disse em outubro passado que os Estados Unidos “não estão” prontos para “uma mudança nas relações diplomáticas” com a Venezuela.

Sua declaração ocorreu após o governo de Biden anunciar um levantamento temporário das sanções econômicas ao petróleo, gás e ouro da Venezuela, em troca de um acordo alcançado entre Maduro e a oposição sobre as condições para as eleições presidenciais de 2024.

Washington também deixou claro que, se o governo de Maduro violar o acordo com a oposição, pode retomar as sanções.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, também pediu a Maduro que defina um cronograma para o levantamento das inelegibilidades políticas de possíveis candidatos da oposição antes do final de novembro.

No entanto, Maduro reiterou que a Venezuela não aceita “chantagens” e clamou novamente pelo levantamento definitivo das sanções.

“Todo o povo venezuelano, toda a Venezuela, por consenso, exige que todas as sanções à sua economia sejam levantadas de maneira permanente e definitiva”, disse.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo