CartaExpressa

Lula diz que Netanyahu é de extrema-direita e que não respeita os palestinos

Declarações ocorreram em entrevista à emissora Al Jazeera

O presidente Lula (PT) durante entrevista à Al Jazeera. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, é de “extrema-direita” e que não tem nada a dizer a ele em relação à guerra.

A declaração ocorreu em entrevista à emissora de televisão Al Jazeera, do Catar. O conteúdo foi ao ar no site do veículo nesta sexta-feira 1º. O presidente brasileiro está nos Emirados Árabes para a COP-28.

“Olha, eu não digo nada, porque, efetivamente, ele é uma pessoa muito extremista, de extrema-direita, com pouca sensibilidade humana para os problemas dos palestinos”, declarou Lula, após ter sido questionado sobre o que diria ao primeiro-ministro de Israel.

Lula também se queixou do tratamento dedicado por Netanyahu aos palestinos como se fossem cidadãos de “terceira classe” e afirmou que “os palestinos devem ser tratados da mesma forma que os judeus”.

“Ele tem que aprender a respeitar os palestinos”, disse Lula.

O presidente brasileiro também cobrou do homólogo estadunidense, Joe Biden, uma atitude de utilizar a sua influência sobre Israel e interromper o conflito com a Faixa de Gaza.

“Ele não teve a sensibilidade de parar aquela guerra”, disse Lula sobre Biden. “Ele tem muita influência, econômica, financeira, militar… Já deveria ter parado a guerra.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.