CartaExpressa

‘Imensa tristeza’, diz Lula sobre brasileiro morto após ser feito refém pelo Hamas

Michel Nisenbaum foi capturado como refém pelo Hamas no dia 7 de outubro de 2023 e seu corpo foi encontrado nesta quinta-feira pelo exército de Israel

Michel Nisenbaum foi feito refém pelo Hamas no dia 7 de outubro. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) comentou, na manhã desta sexta-feira 24, a morte do brasileiro Michel Nisenbaum, capturado como refém pelo Hamas no dia 7 de outubro de 2023.

O corpo do brasileiro estava entre os três recuperados pelos militares israelenses na noite desta quinta-feira 23. Além dele, foram identificados o franco-mexicano Orión Hernández Radoux e o israelense Hanan Yablonka.

“Soube, com imensa tristeza, da morte de Michel Nisembaum, brasileiro mantido refém pelo Hamas. Conheci sua mãe e filha, e sei do amor imenso que sua família tinha por ele. Minha solidariedade aos familiares e amigos de Michel”, escreveu Lula, em postagem na rede X, o antigo Twitter.

Segundo anotou o presidente, “o Brasil continuará lutando, e seguiremos engajados nos esforços para que todos os reféns sejam libertados, para que tenhamos um cessar-fogo e a paz para os povos de Israel e da Palestina”. 

Nisenbaum tinha 59 anos e morava na cidade israelense de Sderot, nas proximidades com Gaza. Segundo um comunicado militar israelense, o corpo foi recuperado após uma operação conjunta dos serviços de inteligência de Israel em Jabaliya, no norte do território.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar