Mundo

Líder indígena pede que o Papa interceda por Lula no enfrentamento à crise dos Yanomami

Em encontro com o pontífice, Davi Kopenawa destacou os graves problemas de desnutrição e doenças que afetam sua comunidade, agravados pela expansão do garimpo ilegal

Foto: Vatican Media
Apoie Siga-nos no

O líder Yanomami Davi Kopenawa, se encontrou com o Papa Francisco na quarta-feira 10, para pedir apoio às ações do presidente Lula (PT) diante da crise sanitária do Terra Indígena Yanomami

“Pedi ao Papa [para] dar apoio ao governo Lula, porque Lula precisa de companheiros. Sozinho não consegue. A política não quer que Lula resolva”, disse Kopenawa aos repórteres, após o encontro. “O Papa falou que vai conversar com ele.”

Kopenawa presinde a Hutukara Associação Yanomami, uma organização dedicada à defesa dos direitos dos povos indígenas e à proteção da Amazônia. Recentemente, ele viajou por diversas cidades da Itália para falar sobre o tema. 

“As crianças yanomamis estão desnutridas por causa do garimpo, por causa das autoridades que deixaram entrar, invadir as terras yanomamis, e muitas doenças estão se espalhando por causa dessa realidade”, disse ele, em uma entrevista ao Vatican News. 

Durante o encontro com o pontífice no Vaticano, ele mencionou a contaminação da água por mercúrio por conta do garimpo ilegal, como uma das maiores ameaças aos povos Yanomami. 

“O papa me recebeu muito bem. Gostei que ele abriu a porta para mim entrar onde ele trabalha, foi muito importante para o que eu queria. Eu tinha vontade de encontrá-lo, vontade de pegar na mão dele, como se fosse um amigo. Foi muito ótimo”, sintetizou Kopenawa.

“Pedi a ele que retirasse os garimpeiros ilegais das terras do meu povo este ano”, completou.

A crise sanitária dos yanomamis levou o governo a decretar estado de emergência em 2023, e passado um ano a situação continua alarmante, com casos de desnutrição, malária e invasão de garimpeiros.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo