Mundo

Justiça apreende relógios emprestados à presidente do Peru no caso Rolexgate

Ao todo, três relógios de luxo e uma pulseira foram apreendidos pelo Ministério Público peruano

Apoie Siga-nos no

O Ministério Público do Peru apreendeu, nesta quarta-feira (10), três relógios de luxo e uma pulseira que o governador de Ayacucho, Wilfredo Oscorima, emprestou à presidente do país, Dina Boluarte, itens pelos quais ela é investigada por suspeita de enriquecimento ilícito, denunciou o advogado de Oscorima.

“O Ministério Público decidiu fazer uma apreensão, sem ordem judicial, sob o argumento de que os bens poderiam se perder”, informou Humberto Abanto. A medida foi tomada durante uma diligência fiscal de apresentação dos três relógios e da pulseira, no contexto do caso conhecido como Rolexgate.

A presidente peruana, que está no centro do escândalo por usar peças de luxo que não declarou como funcionária pública, defendeu-se na última sexta-feira na Justiça alegando que os relógios que usou pertencem ao amigo e governador Oscorima. Dina também negou que possua joias das marcas Cartier e Van Cleef, como noticiado pela imprensa.

As investigações pelo “suposto crime de enriquecimento ilícito e por omissão de declaração em documentos” começaram em 18 de março, após uma denúncia do veículo digital La Encerrona. 

O Ministério Público pode investigar a presidente por até oito meses. Se decidir denunciá-la, terá que esperar o término do seu mandato, em julho de 2026, para levá-la a julgamento, conforme estabelece a Constituição peruana.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo