Mundo

Irmão da presidente do Peru é preso por suposta corrupção

O Ministério Público o acusa de comandar uma rede que designava prefeitos e subprefeitos em troca de “benefícios econômicos”

Reprodução Facebook
Apoie Siga-nos no

A polícia do Peru prendeu, nesta sexta-feira (10), o irmão e o advogado da presidente do Peru, Dina Boluarte, por sua suposta vinculação a uma rede de corrupção para nomear funcionários em troca de propinas, anunciou o Ministério Público.

Uma equipe especial de promotores de combate à corrupção “prendeu Nicanor Boluarte Zegarra, Mateo Castañeda, e outros investigados pelos crimes de organização criminosa e tráfico de influência”, indicou o Ministério Público no X.

Boluarte, irmão mais velho da presidente peruana, foi preso em seu apartamento, no leste de Lima. O Ministério Público o acusa de comandar uma rede que designava prefeitos e subprefeitos em troca de “benefícios econômicos”, afirmou o órgão em comunicado.

Estes funcionários atuam como representantes do Executivo nas regiões do país e são nomeados diretamente pelo presidente e ministro do Interior.

De seus cargos atraíam “afiliados” para um novo partido político, “Cidadãos do Peru”, que seria liderado por Nicanor Boluarte, de 64 anos.

A organização “teria criado seu programa criminoso imediatamente após Boluarte” assumir como presidente em 7 de dezembro, afirmou o MP.

Além de Boluarte, foi preso também o advogado da presidente e outras seis pessoas em diferentes operações.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo