Mundo

Itamaraty: acordo Mercosul-UE avança, mas segue sem conclusão

Há pontos pendentes de negociação, informa embaixador

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia avançou nas últimas semanas, mas alguns pontos ainda estão pendentes de negociação, segundo informou o Itamaraty nesta quinta-feira 30.

O governo brasileiro, com demais países do Mercosul, tem intensificado as negociações com os europeus na tentativa de assinar o acordo até 7 de dezembro, na 63º Cúpula do Mercosul, que acontece no Rio de Janeiro.

“O acordo, eu diria, está bem avançado. Houve progresso significativo em relação à diferença que nós tínhamos no início das negociações deste semestre, ou seja, avançamos muito. É um trabalho que nos faz aproximar da conclusão das negociações, mas ainda falta negociar alguns pontos. Daí a necessidade de um trabalho intenso para se buscar o acordo até a cúpula no dia 7”, explicou o embaixador Maurício Lyrio, secretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Ministério das Relações Exteriores.

A pressa tem relação com a posse do presidente eleito da Argentina, Javier Milei, que assume o Executivo do país vizinho em 10 de dezembro. Crítico do Mercosul, teme-se que o ultraliberal dificulte as negociações em andamento com o bloco europeu, apesar de especialistas terem ponderado à Agência Brasil que o novo presidente argentino pode não realizar o que prometeu, em especial sobre o Mercosul.

O secretário do Itamaraty responsável pelas negociações afirmou que os encontros com os europeus estão sendo semanais e, em algumas semanas, diários, numa tentativa de se concluir o acordo.

Como a negociação é sigilosa e envolve o interesse dos demais três membros do bloco (Uruguai, Paraguai e Argentina), ele não quis revelar quais são os pontos ainda pendentes de negociação, mas defendeu que as diferenças não poucas e conciliáveis.

“Eu não posso entrar em detalhes, mas é um conjunto pequeno de diferença que a gente tem que acertar, dada a complexidade desse acordo que envolve 27 países de um lado [União Europeia] e quatro do outro [Mercosul]. Ou seja, não é um acordo simples”, ponderou.

Compras Governamentais

Um dos pontos que avançaram na negociação foi o das compras governamentais, que foi uma exigência do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Da forma como estava sendo costurado, o acordo abriria para empresas europeias a concorrência em licitações para compras do governo brasileiro.

O governo argumenta que essa medida prejudica as empresas nacionais, que, na visão do Executivo, devem ter preferências nas compras governamentais.

“A questão das compras conseguimos acertar bem no acordo com Singapura, e com a União Europeia avançamos muitíssimo nisso. Dificuldades que foram vistas como insuperáveis não se materializaram, no sentido de que foi possível fazer avanços muito significativos em termos de entendimento e compromisso entre as partes”, comentou o embaixador Maurício Lyrio em relação ao tema das compras governamentais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.