Mundo

Homem negro é morto pela polícia em Washington, nos EUA

Caso acontece após meses de protestos em todo o país contra o racismo

Protestos nos EUA contra o racismo e a brutalidade policial contribuíram para o aumento no número de matérias sobre o racismo estrutural. Foto: AFP.
Protestos nos EUA contra o racismo e a brutalidade policial contribuíram para o aumento no número de matérias sobre o racismo estrutural. Foto: AFP.

Um homem negro morreu nesta quarta-feira 2 por disparos da polícia na capital em Washington, nos Estados Unidos, em um momento que o país passa por históricos protestos contra o racismo.

As autoridades disseram que a polícia esteve na parte sudeste da capital americana pouco após às 16h locais (17h no horário de Brasília) para investigar relatos de “homens armados em um veículo”.

“Quando se aproximaram do veículo, algumas pessoas fugiram a pé e um policial abriu fogo”, declarou o chefe da polícia de Washington DC, Peter Newsham, em coletiva de imprensa. A vítima foi levada ao hospital antes de ser declarada morta.

“Acreditamos que o suspeito tinha uma arma no momento”, disse Newsham, garantindo que armas foram encontradas no local.

A vítima é “um jovem afro-americano”, afirmou à imprensa Trayon White, um conselheiro local, que pediu a divulgação das imagens captadas pelas câmaras policiais.

“Eles não vão se safar com isso, não permitam que os meios de comunicação locais escondam este assunto”, urgiu a filial local do movimento Black Lives Matter.

O caso acontece após meses de protestos em todo o país contra o racismo e a brutalidade policial, e dias depois de policiais em Los Angeles matarem a tiros Dijon Kizzee, um afro-americano de 29 anos que andava de bicicleta quando foi abordado pela polícia por uma suposta infração de trânsito.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!