…

Guaidó testa força de Maduro em “Dia D” para a Venezuela

Mundo

O oposicionista Juan Guaidó testa neste sábado 23 a força do presidente venezuelano Nicolás Maduro. A data tem vários simbolismos. É quando expira o prazo dado por Guaidó para que o país libere as fronteiras para a entrada de ajuda internacional. E é quando se completa um mês desde que o líder da Assembleia se autodeclarou presidente.

O adversário de Maduro cruzou, na noite de sexta-feira 22, a fronteira da Venezuela com a Colômbia, indicando ter contado com a ajuda de militares – grupo que, em maioria, segue dando suporte para manter Maduro no poder, a despeito de massivas insatisfações populares.

Agências internacionais apontam que pelo menos quatro integrantes da guarda bolivariana de Maduro desertaram entre ontem e hoje.

Leia também: Venezuela em suspense com entrada de ajuda humanitária

A intenção de Guaidó é conseguir a abertura das fronteiras, fechadas por ordem de Maduro desde a quinta-feira, e a liberação das ajudas vindas especialmente dos Estados Unidos, mas com ajudas de Brasil, Chile, Paraguai e Colômbia. Mais que a passagem de alimentos e medicamentos, o ato significará uma vitoria política do oposicionista, que o presidente cozinha em banho-maria.

Do lado brasileiro, o chanceler Ernesto Araújo concedeu entrevista no início da manhã manifestando total apoio do governo bolsonarista a Guaidó. Ele está em Roraima, perto da fronteira da Venezuela, onde caminhões com ajudas humanitárias aguardam para entrar no país.

Leia também: "O sistema de saúde na Venezuela está praticamente em colapso"

Enquanto as tensões crescem entre líderes políticos, a população se exalta. Há relatos de conflitos de populares com forças de segurança em pontos próximos da fronteiras venezuelana com a Colômbia.

Este sábado é apontado como data-chave para o futuro da Venezuela.

Leia também: Confronto na fronteira da Venezuela deixa 2 mortos, diz oposição

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem