Mundo

Greve na torre na Eiffel chega ao fim e monumento vai reabrir no domingo

Sindicatos e a empresa que administra o monumento chegaram a um acordo

Torre Eiffel Foto: ALAIN JOCARD / AFP A torre Eiffel. Foto: ALAIN JOCARD / AFP
Apoie Siga-nos no

A torre Eiffel, fechada desde segunda-feira por uma greve de funcionários, reabrirá no domingo 25 após um acordo entre os sindicatos e a empresa que administra o monumento, informou a SETE neste sábado à AFP.

“A direção da Sociedade de Exploração da Torre Eiffel (SETE) e as centrais sindicais chegaram a um acordo” que estabelece que as duas partes supervisionem “regularmente o modelo de negócio” da empresa, afirmou o organismo, em um comunicado à AFP.

Também será supervisionada “a evolução dos investimentos em obras e receitas por um órgão que se reunirá a cada 6 meses”, apontou o texto.

Os dois lados também acordaram “um ambicioso investimento de 380 milhões de euros (2,05 bilhões de reais) até 2031, para as obras e a manutenção do patrimônio da torre, entre outros”, indica o comunicado da SETE, cujo acionista majoritário (99%) é a prefeitura de Paris.

Os sindicatos haviam criticado uma falta de manutenção e um atraso da 20ª campanha de pintura, que começou em 2019, enquanto a anterior terminou em 2010.

O acordo prevê agora prosseguir com a “20ª campanha de pintura e se comprometer com a seguinte”.

A direção do monumento, inaugurado durante a Exposição Universal há 135 anos, destacou que os visitantes afetados receberão o reembolso integral e automático “no menor prazo possível”.

Os seis dias de greve acarretaram na perda de quase 100.000 visitantes.

A rentabilidade da torre Eiffel, que recebeu 6,3 milhões de visitantes em 2023, foi afetada pela perda de mais de 120 milhões de euros (647 milhões de reais) em entradas durante os dois anos da crise sanitária da covid (2020-21)

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo