Mundo

cadastre-se e leia

O tamanho do desafio de reconstruir a imagem do Brasil após 4 anos de Bolsonaro, segundo Freixo

O presidente da Embratur avalia que a volta de Lula à Presidência foi fundamental para reverter os danos

O presidente da Embratur, Marcelo Freixo, em evento dos 30 anos de CartaCapital, em Brasília, em 14 de maio de 2024. Foto: Divulgação/CartaCapital
Apoie Siga-nos no

O presidente da Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, Marcelo Freixo, classificou de “loucura” o cenário enfrentado pelo País durante o governo de Jair Bolsonaro (PL) e afirmou que a gestão do ex-presidente foi marcada por uma “irresponsabilidade completa” também no turismo internacional, com danos significativos na imagem do Brasil.

As declarações foram proferidas em entrevista à reportagem na terça-feira 14, em Brasília, durante a primeira rodada de um ciclo de debates promovido por CartaCapital para celebrar seus 30 anos.

“O primeiro desafio foi ter fonte de Orçamento. Foi uma loucura o que este País viveu nos quatro anos do governo Bolsonaro”, disse Freixo. “Quando assumimos, o Brasil era o país da crise climática, do ‘passar a boiada’, do negacionismo. Em seis meses, em agosto do ano passado, a revista Forbes indica o Brasil como principal destino do mundo de ecoturismo.”

O ex-deputado exaltou o fato de o País ter recuperado em 2023 a base de turistas internacionais do período pré-pandemia. No ano passado, os turistas internacionais deixaram no Brasil um montante recorde de 6,9 bilhões de dólares, segundo dados do Banco Central. Trata-se de um valor 1,5% superior à maior arrecadação anual até 2023, registrada em 2014, ano de uma Copa do Mundo.

“O presidente Lula foi decisivo para a reconstrução dessa imagem”, avalia o presidente da Embratur. “Ninguém quer visitar um lugar que tem racismo, um lugar machista, sem responsabilidade climática. Por isso as pessoas voltaram a visitar o Brasil: porque passou Bolsonaro e veio Lula.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo