Mundo

EUA deveriam gerar empregos nos vizinhos em vez de construir muro, diz Lula na Colômbia

Em Bogotá, o presidente participou do Fórum Empresarial Brasil-Colômbia, ao lado de Gustavo Petro

A primeira-dama Janja da Silva; o presidente da Colômbia, Gustavo Petro; e o presidente Lula, em Bogotá, em 17 de abril de 2024. Foto: Ricardo Stuckert/PR
Apoie Siga-nos no

O presidente Lula (PT) afirmou nesta quarta-feira 17 que os Estados Unidos deveriam se preocupar em gerar empregos em países do continente americano, em vez de construir muros para impedir a entrada de cidadãos de outras nacionalidades.

A declaração foi proferida no encerramento do Fórum Empresarial Brasil-Colômbia, em Bogotá, ao lado do presidente colombiano, Gustavo Petro.

“Eis que, depois de 520 anos de existência, todos nós [países latino-americanos] continuamos pobres. É nesse continente que tem mais desemprego, é nesse continente que, junto com a África, tem mais desnutrição, tem mais fome, tem mais mortalidade infantil e tem menos perspectiva”, disse o petista.

“Por isso, os Estados Unidos, que deveriam cuidar disso gerando emprego junto aos seus vizinhos, têm uma política de construir um muro. Latino-americanos, à procura de chance de trabalho na publicidade tão grande que eles fazem, são considerados bandidos.”

Essa parte do discurso de Lula surgiu de improviso. Ele também leu um pronunciamento, no qual defendeu aprofundar as relações com a Colômbia. Mencionou, por exemplo, o desejo de “criar parcerias estratégicas, com transferência de tecnologia”, na área de defesa.

“Colômbia e Brasil trabalham para que os setores público e privado andem juntos e para que nossas economias cresçam e melhorem a vida das pessoas”, afirmou Lula. “O sucesso deste encontro confirma que nossos empreendedores estão plenamente engajados em um projeto de desenvolvimento que garantirá um futuro mais sustentável, justo e solidário.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo