Mundo

Biden descarta entregar a republicanos o aúdio de seu depoimento a um promotor

Os congressistas exigem as fitas da oitiva a Robert Hur, que investigou o presidente por posse de documentos confidenciais

Foto: Mandel NGAN / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recusou nesta quinta-feira 16 entregar a gravação do seu depoimento a um promotor especial, o que provocou uma enxurrada de comentários sobre sua memória e sua agilidade mental.

Os congressistas republicanos exigem as fitas do depoimento que Biden prestou em outubro a Robert Hur, que o investigou por posse de documentos confidenciais.

Em fevereiro, Hur concluiu que as acusações não eram justificadas, mas disse que Biden, de 81 anos, tinha “precisão e memória limitadas” e que um júri provavelmente o consideraria “um idoso simpático, bem-intencionado e com má memória”.

O Departamento de Justiça e o conselho da Casa Branca informaram aos comitês da Câmara dos Representantes, controlada pelos republicanos, que Biden se valerá do privilégio executivo para não entregar as gravações.

Os republicanos querem se concentrar na idade de Biden durante a campanha para eleições presidenciais de novembro, nas quais o democrata terá como adversário seu antecessor, Donald Trump, de 77 anos.

O advogado da Casa Branca, Ed Siskel, garante que Biden faz uso do privilégio executivo para proteger a “integridade, eficácia e independência do Departamento de Justiça e das suas investigações sobre a aplicação da lei”.

Os republicanos de dois comitês da Câmara devem apresentar resoluções nesta quinta-feira que declaram que o procurador-geral Merrick Garland desrespeita o poder de investigação do Congresso, depois de o Departamento de Justiça se recusar a entregar as fitas.

Propósitos “partidários”

Os republicanos do comitê judicial acreditam que a rejeição tem motivação política para proteger o presidente.

Mas o departamento já divulgou transcrições das declarações e argumenta que os republicanos querem que as fitas sejam simplesmente usadas em anúncios de campanha de apoio a Trump.

“A ausência de uma necessidade legítima das gravações de áudio expõe o seu provável propósito: dissecá-las, distorcê-las e utilizá-las para fins político-partidários”, disse Siskel em uma carta aos comitês.

Hur, nomeado por Garland em janeiro de 2023 para investigar Biden, concluiu que o mandatário reteve indevidamente documentos confidenciais após o término do seu mandato como vice-presidente, em 2017, mas que acusações criminais não se justificavam.

“Para determinar se o procurador especial aplicou a justiça de maneira adequada ao não processar – e ao não recomendar a acusação – o presidente, as gravações são necessárias”, disse o presidente do Comitê Judiciário, Jim Jordan, quando o painel começou a considerar a citação por desacato a Garland.

“As transcrições por si só não são prova suficiente do estado da memória do presidente, francamente, porque a Casa Branca tem um histórico de adulteração de transcrições”, acrescentou.

O congressista democrata Jerry Nadler acusou Jordan de desperdiçar 20 milhões de dólares em “suas várias teorias da conspiração” visando Biden para desviar a atenção das irregularidades cometidas por Trump, que enfrenta 88 acusações criminais, quase metade delas pela suposta retenção de documentos confidenciais.

“O promotor especial realmente inocentou Biden de qualquer irregularidade”, disse Nadler. A reunião do comitê de supervisão foi adiada para 20h locais de sexta-feira (21h de Brasília).

Os republicanos da Câmara também investigam Biden por suposta corrupção, mas as audiências realizadas até agora não provaram que o líder democrata tenha cometido qualquer crime.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo