Mundo

Canadense adepta do QAnon pede que seguidores ‘matem’ pessoas que vacinam crianças

As ameaças de seguidores do QAnon e militantes antivacina têm sido constantes no país

Romana Didulo e uma foto de arma enviada por seus seguidores. Reprodução: Telegram
Romana Didulo e uma foto de arma enviada por seus seguidores. Reprodução: Telegram

No início dessa semana, uma influenciadora canadense adepta do QAnon  incitou seus mais de 70 mil seguidores para “matar” aqueles que vacinaram crianças e adolescente no país. 

Segundo informações da revista Vice, Romana Didulo (auto-intitulada “Rainha do Canadá”) declarou a apoiadores no Telegram aberta a “temporada de caça aos patos”. Os ‘patos’ seriam profissionais de saúde, políticos e jornalistas. 

“Atire para matar qualquer pessoa que tentar injetar vacinas/armas biológicas contra o covid-19 em crianças menores de 19 anos ou qualquer outra vacina”, escreveu ela. “Este pedido entra em vigor imediatamente.”

Nos grupos em que administra, Didulo agrega seguidores a sua causa. Em um dos grupos, um homem postou imagens com armas de fogo. Outro seguidor compartilhou informações sobre locais de vacinação em Ontário voltado especificamente para crianças. 

As ameaças de seguidores do QAnon e militantes antivacina têm sido constantes no Canadá desde que a vacinação contra a Covid-19 teve início — e se intensificaram desde o anúncio da imunização de crianças e adolescentes.

Especialistas estão preocupados com as possíveis ações do grupo conspiracionista. Nos Estados Unidos, muitos adeptos do QAnon se envolveram em atos violentos, como assassinatos ou sequestros, e o FBI alertou que a violência só pode aumentar com o tempo. 

Marina Verenicz

Marina Verenicz
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , ,

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!