Mundo

As medidas de Milei para perseguir quem aderir a greve geral

Trabalhadores vão cruzar os braços contra o pacote de medidas econômicas anunciado por Milei

O presidente eleito da Argentina, Javier Milei. Foto: Luis Robayo/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Argentina, Javier Milei, está preparando uma série de medidas para perseguir quem aderir a greve geral, marcada para acontecer no próximo dia 24 de janeiro.

Entre as medidas, está o desconto na jornada de trabalho para funcionários públicos e a criação de um disque denúncia para receber relatos de empresários, comerciantes e trabalhadores que se sintam supostamente coagidos a participar da greve.

O número do disque denúncia foi divulgado nesta quarta-feira 17 pela ex-candidata presidencial e atual ministra da Segurança Pública, Patricia Bullrich.

Segundo a ministra, os operadores foram instruídos a “compilar a maior informação possível e para dar segurança a cada empresário, comerciante, trabalhador independente, transportador, empregado em relação de dependência ou beneficiário de alguma forma se veja obrigado a parar”.

Além disso, o ministro argentino da Justiça, Mariano Cúneo Libarona, ainda ameaçou iniciar ações judiciais contra os manifestantes. “Chega de governarem nosso país com greves”, pontuou em entrevista à rádio Neura.

Esta não é a primeira vez que Milei tenta coagir os movimentos sociais. Milei os intimou na última semana organizações sociais e sindicatos argentinos a pagarem até 56 milhões de pesos (320 mil reais) pelas operações de segurança realizadas durante manifestações no fim de dezembro.

A greve geral foi convocada pela Confederação Geral do Trabalho (CGT) ainda no fim de dezembro. Os trabalhadores são contra o pacote de medidas econômicas anunciado por Milei.

As medidas desregulam a economia local com projetos que revogam a lei do aluguel e retiram a proteções aos trabalhadores. A CGT também irá cruzar os braços contra a demissão de 7 mil servidores públicos e contra a privatização das empresas públicas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo