…

Arábia Saudita confirma morte de Jamal Khashoggi

Mundo

A Arábia Saudita confirmou na noite da sexta-feira 19 a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, visto pela última vez ao entrar no consulado de seu país em Istambul no dia 2 de outubro. O caso gerou clamor internacional e criou tensões entre Riad e o Ocidente.

O anúncio foi feito na imprensa estatal saudita, mencionando os resultados preliminares de uma investigação oficial em curso no país árabe. O jornalista era conhecido por suas críticas à família real e ao príncipe herdeiro Muhammad bin Salman.

Em declaração, o procurador-geral saudita afirmou que a morte de Khashoggi foi ocasionada por uma briga entre ele e pessoas com quem ele se reuniu no consulado saudita na Turquia.

Leia também:
Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos
Quem será punido pelo desaparecimento do jornalista saudita?

“Uma discussão entre Jamal Khashoggi e aqueles com quem ele se encontrou no consulado do reino em Istambul se transformou em uma briga corporal, levando à sua morte”, diz a declaração do procurador-geral veiculada na mídia estatal.

É a primeira vez que o país admite a morte de Khashoggi, especulada por outros países. A Turquia, por exemplo, havia sugerido que o dissidente foi morto dentro do edifício do consulado. Riad, por sua vez, negou as alegações anteriormente, afirmando que Khashoggi deixara o prédio.

“As investigações ainda estão em curso, e 18 cidadãos sauditas foram presos”, acrescentaram as autoridades sauditas na declaração desta sexta-feira.

Riad informou ainda que, diante do escândalo, o conselheiro da corte real, Saud al-Qahtani, e o vice-chefe de inteligência do país, Ahmed Asiri, foram demitidos de seus cargos.

Além disso, o rei Salman ordenou a formação de um comitê ministerial, sob comando do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, para reestruturar a agência geral de inteligência saudita, informou a imprensa estatal do país.

O comitê incluirá os ministros do Interior e do Exterior, o chefe da agência de inteligência e o chefe de segurança doméstica. Segundo a ordem do rei, o grupo deve se reportar a ele dentro de um mês. 

O caso Khashoggi 

Khashoggi foi ao consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 2 de outubro para providenciar a documentação necessária para seu casamento com a turca Hatice Cengiz. Após sete horas e meia sem notícias de seu noivo, Cengiz informou a polícia turca. Os investigadores analisaram vídeos filmados no entorno do prédio do consulado e abriram uma investigação oficial.

Segundo a agência de notícias Associated Press, fontes turcas afirmaram temer que agentes sauditas de um comando especial que se deslocou a Istambul tenham assassinado e esquartejado Khashoggi, que teria ainda sido alvo de tortura.

Policiais turcos disseram à agência Reuters que 15 agentes sauditas chegaram a Istambul em dois aviões no dia em que Khashoggi foi ao consulado. Segundo o jornal turco conservador e pró-governo Yeni Safak, eles visitaram o consulado enquanto o jornalista ainda estava dentro do edifício, e deixaram o país pouco tempo depois de seu desaparecimento.

O caso gerou repercussão internacional e elevou as tensões entre a Arábia Saudita e o Ocidente. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou que o caso terá duras consequências para Riad, caso as autoridades do país estejam envolvidas na morte do dissidente.

Enquanto isso, uma série de executivos e altos funcionários governamentais cancelaram nesta quinta-feira sua participação numa conferência de investidores na Arábia Saudita, incluindo três ministros europeus e o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. 

Quem é Jamal Khashoggi? 

O jornalista saudita se tornou conhecido por seus artigos publicados em veículos em inglês sobre o mundo árabe e, especialmente, sobre a Arábia Saudita. No país árabe, Khashoggi trabalhou como jornalista durante muito tempo e chegou a ser assessor de um ex-chefe do serviço secreto, o príncipe Turki al-Faisal.

Devido às críticas à família real e ao príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, o jornalista temia ser preso e, no ano passado, se mudou para os Estados Unidos.

Ele escreveu artigos de opinião e colunas para o Washington Post. Em setembro do ano passado, Khashoggi explicou num artigo: “Abandonei minha casa, minha família e meu trabalho e estou erguendo a minha voz. Agir de outra forma significaria trair a todos aqueles que estão na prisão. Enquanto muitos não podem falar, eu posso”.

 DW_logo

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem