Mundo

assine e leia

Abraço de urso

Biden deixa-se enredar por Netanyahu e torna-se sócio da iminente catástrofe

Cumplicidade. O presidente dos Estados Unidos reforçou o apoio bélico e militar a Netanyahu e chancelou a invasão de Gaza – Imagem: Miriam Alster/AFP
Apoie Siga-nos no

E isso? Será isso o que os maiores líderes ocidentais podem fazer enquanto a hora H se aproxima? O “gentil” Joe Biden distribuiu simpatia e dólares em uma visita de sete horas a Israel. Pequenas quantidades de ajuda pingam em Gaza. Dois de 200 reféns foram libertados. Mas não há cessar-fogo, não há “pausa humanitária” ou zona segura, não há fim para os bombardeios, não há plano de longo prazo. Crescem os temores de uma conflagração cada vez maior.

Em vez disso, há uma aquiescência ocidental relutante, embora vergonhosa, sobre o iminente ataque militar em grande escala de Israel a Gaza – com seu objetivo compreensível, mas inatingível: a erradicação definitiva do Hamas. Com mais de 4 mil palestinos mortos, o “time” do primeiro-ministro israelense, Benjamin ­Netanyahu, para usar o termo chocante escolhido por Biden, deveria receber cartão vermelho. Acabou de receber luz verde.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo