Justiça

Zambelli aciona MPF contra Janja por suposta interferência em caso de Robinho

Segundo a parlamentar, a primeira-dama teria pressionado relator do caso que o ex-jogador fosse preso

Apoie Siga-nos no

A deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) acionou o Ministério Público Federal contra a primeira-dama Janja por uma suposta interferência no caso do ex-jogador brasileiro Robinho, condenado por estupro. 

A parlamentar acusa Janja de ter pressionado o relator do caso, o presidente do Superior Tribunal de Justiça, Francisco Falcão, para que o ex-jogador fosse preso, e pede que ela seja investigada pelos crimes de coação no curso de processo e tráfico de influência.

A denúncia, segundo ela, foi protocolada no último domingo 31.

“Entramos no MPF ontem, com notícia-crime e consequente requerimento de abertura de investigação contra Janja pela possibilidade dela ter incorrido nos crimes de coação no curso do processo e tráfico de influência, segundo denúncia veiculada pela imprensa”, escreveu Zambelli no X (antigo Twitter).

Ela afirma que às vésperas do julgamento de Robinho, Janja ligou para Falcão para pressioná-lo por uma resolução do caso.

Ao final de março, o CNJ já havia determinado por maioria que Robinho teria que cumprir no Brasil a pena de nove anos por estupro, a qual foi condenado na Itália. 

Posteriormente, o relator do caso, Francisco Falcão, votou favorável pelo cumprimento da pena no Brasil.

A parlamentar, no entanto, não detalhou e nem disse ter gravações que comprovem a acusação. 

Além disso, Zambelli disse que a primeira-dama tem trabalhado em indicações de juízes na Justiça Federal e para uma das duas vagas abertas no Tribunal Regional Federal da 3ª Região.

A reportagem procurou a primeira-dama e o ministro do STJ para posição sobre o caso, mas não obteve retorno até a publicação. O espaço segue aberto. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo