Justiça

Volkswagen abandona negociação sobre indenização de vítimas de trabalho escravo

Fatos ocorreram entre os anos de 1970 e 1980; Ministério Público do Trabalho quer reparação para trabalhadores e familiares

Foto: Ronny Hartmann/AFP
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público do Trabalho em São Paulo afirmou que a fabricante de veículos Volkswagen abandonou uma mesa de negociação que discute possíveis reparações pela prática de trabalho escravo em uma propriedade da empresa, entre os anos de 1970 e 1980.

Segundo nota do órgão, a companhia alemã afirmou não ter interesse de firmar acordo e se retirou de uma audiência sobre o caso, nesta quarta-feira 29.

A tratativa envolvia o pagamento de 165 milhões de reais em indenizações a vítimas de trabalho escravo na Fazenda Vale do Rio Cristalino, a Fazenda Volkswagen, uma propriedade de 140 mil hectares no Pará.

De acordo com o MPT, o pagamento seria destinado a 14 trabalhadores identificados como vítimas do crime, a centenas de outros escravizados que ainda teriam de ser localizados e às famílias de assassinados.

Investigações apontam uma rotina de violações de direitos humanos, em um local de trabalho degradante.

Segundo depoimentos, as irregularidades incluem a falta de acesso a água potável e alimentação, ausência de tratamento médico para malária, impedimento de saída da fazenda e alojamentos em instalações insalubres.

“O MPT lamenta a postura da Volkswagen, que contraria seu discurso de compromisso com o país e com os direitos humanos, pois se trata de uma gravíssima violação que ocorreu durante mais de 10 anos com a sua participação direta”, diz nota da instituição.

Veja resposta da Volkswagen

“O Ministério Público Federal do Trabalho iniciou um processo administrativo contra a Volkswagen do Brasil, em 2019, e notificou a empresa apenas três anos após o início das investigações. A Volkswagen do Brasil rejeita todas as alegações apresentadas nos registros da presente investigação sobre a Fazenda Vale do Rio Cristalino e não concorda com as declarações unilaterais dos fatos apresentados por terceiros. A empresa reforça o compromisso com a responsabilidade social, continua comprometida com os valores éticos e continuará participando e contribuindo para as adequadas condições de trabalho dos seus empregados, bem como para a evolução positiva da sociedade.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo