Procuradores reivindicam medidas que garantam matéria-prima para vacinas

Representantes do Ministério Público apontam falta de material para produção e envase na Fiocruz e no Butantan

Foto: MAURO PIMENTEL/AFP

Foto: MAURO PIMENTEL/AFP

Justiça

Procuradores da República apontaram falta de matéria-prima para a produção da vacina contra a Covid-19 no laboratório da Fundação Oswaldo Cruz, encarregada de produzir e envasar o imunizante da Universidade de Oxford.

Em ofício encaminhado nesta quarta-feira 20 à Procuradoria-Geral da República, os representantes do Ministério Público Federal pedem que o Ministério da Saúde e o Ministério das Relações Exteriores informem sobre as medidas adotadas para garantir o material necessário.

 

 

Assinam o documento nove procuradores de diferentes estados: Amazonas, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe. Eles destacam que a Fiocruz ainda não recebeu o estoque do Ingrediente Farmacêutico Ativo para a produção da vacina e que a entrega estava prevista para 9 de janeiro. Escrevem ainda que o estoque do Instituto Butantan, responsável pela vacina da Sinovac, é suficiente somente para produção até o fim de janeiro.

Os procuradores dizem ter confirmado a dificuldade no recebimento do estoque da matéria-prima na Fiocruz, por meio de contatos periódicos com servidores federais do instituto. A fundação estaria enfrentando problemas na finalização do processo de importação do material, mesmo caso do Butantan.

O ofício pede providências para agilizar o processo de compra do material na China e de entrega ao Brasil. Também solicita análise sobre eventual medida que possa ser adotada pela PGR, com auxílio do Gabinete Integrado de Acompanhamento da Epidemia Covid-19 e da Secretaria de Cooperação Internacional do MPF.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem