Justiça

Por unanimidade, STF manda governos criarem planos para reverter violações no sistema carcerário

A Corte declarou um ‘estado de coisas inconstitucional’ no sistema penitenciário brasileiro

O plenário do STF. Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, declarar um “estado de coisas inconstitucional” no sistema carcerário do País e determinar que os governos federal e estaduais elaborem planos para reverter esse cenário. O julgamento foi finalizado nesta quarta-feira 4.

Segundo a Corte, a União deve liberar as verbas do Fundo Penitenciário Nacional e produzir, em até seis meses, um programa para superar em no máximo três anos esse cenário.

O documento será formulado com a participação do Conselho Nacional de Justiça, que planejará as medidas que envolvam a atuação do Judiciário. A ideia é que as soluções também abranjam a fiscalização e o monitoramento do sistema prisional.

A partir do plano nacional, os estados e o Distrito Federal também devem elaborar planos próprios, em até seis meses. Os programas passarão por uma validação do STF e deverão ser executados em um prazo de três anos.

“Esse é um tema de difícil solução em toda parte do mundo. Não há uma solução perfeita, nem creio que com essa decisão se consigam resolver todos os problemas. Mas espero que seja um passo relevante para melhorar, minimamente que seja, as condições degradantes do sistema prisional brasileiro”, disse o presidente do Supremo, Luís Roberto Barroso, ao final do julgamento.

Os ministros julgaram no plenário presencial uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental protocolada pelo PSOL. A análise começou no plenário virtual em maio de 2021, com o voto do então relator, Marco Aurélio Mello (hoje aposentado). Na ocasião, Barroso pediu vista, ou seja, mais tempo para estudar o processo.

Prevaleceu no novo julgamento a manifestação de Barroso. Marco Aurélio também havia votado no sentido de reconhecer a violação de direitos no sistema penitenciário.

Em seu voto, Barroso afirmou que o reconhecimento do “estado de coisas inconstitucional” se expressa, entre outros aspectos, por meio da superlotação e da má qualidade das vagas existentes, marcadas pelo déficit no fornecimento de bens e serviços essenciais.

Essa conclusão também é formada, segundo o ministro, pelas entradas de novos presos no sistema de forma indevida e desproporiconal, envolvendo autores primários e delitos de baixa periculosidade, “que apenas contribuem para o agravamento da criminalidade”.

Barroso ainda mencionou a permanência dos presos por tempo superior ao previsto na condenação.

“Tal situação compromete a capacidade do sistema de cumprir seus fins de ressocialização dos presos e de garantia da segurança pública”, argumentou o presidente do Supremo.

Ele determinou ainda que juízes e tribunais:

  • justifiquem a não aplicação de medidas cautelares alternativas à privação da liberdade, quando determinada ou mantida a prisão provisória;
  • fixem, quando possível, penas alternativas à prisão;
  • levem em conta o quadro do sistema penitenciário no momento de contenção, de cautelares, na aplicação da pena e durante a execução penal; e
  • realizem audiências de custódia no prazo de 24 horas após a prisão.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo