Polícia intima Felipe Neto por chamar Bolsonaro de ‘genocida’

Inquérito apura suposto 'crime contra a segurança nacional', após denúncia de Carlos Bolsonaro

O youtuber Felipe Neto. Foto: Reprodução/YouTube

O youtuber Felipe Neto. Foto: Reprodução/YouTube

Justiça

O influenciador digital Felipe Neto relatou, nesta segunda-feira 15, que a Polícia Civil levou uma intimação à sua casa para que ele responda por crime contra a segurança nacional. O chamado é fruto de denúncia do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), após o youtuber chamar o presidente Jair Bolsonaro de “genocida”.

O mandado de intimação é do delegado Pablo Dacosta Sartori, da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. Sartori é o mesmo delegado que o indiciou o influenciador por suposta corrupção de menores. Ele também convocou o cantor Belo para depor sobre show realizado no Rio de Janeiro durante a pandemia.

“A clara tentativa de silenciamento se dá pela intimidação”, escreveu Felipe Neto, nas redes sociais. “Eles querem que eu tenha medo, que eu tema o poder dos governantes. Já disse e repito: um governo deve temer seu povo, nunca o contrário.”

 

“Carlos Bolsonaro, você não me assusta com seu autoritarismo. Não vai me calar”, disse Felipe Neto.

 

O youtuber afirmou ainda que chamou Bolsonaro de “genocida” porque há “nítida ausência de política de saúde pública no meio da pandemia”, o que colaborou para o aumento do número de mortes por Covid-19. “Uma crítica política não pode ser silenciada jamais”, publicou.

Os crimes contra a segurança nacional são definidos pela Lei nº 7.170/1983. No Artigo 26, o texto proíbe o ato de “caluniar ou difamar o presidente da República, o do Senado Federal, o da Câmara dos Deputados ou o do Supremo Tribunal Federal, imputando-lhes fato definido como crime ou ato ofensivo à reputação”. A pena prevê reclusão de um a quatro anos.

O inquérito contra Felipe Neto foi aberto em 10 de março. Caso ele não compareça ao depoimento, poderá responder pelo crime de desobediência.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem