Justiça

Novo juiz da Lava Jato critica a prisão de Lula e diz buscar neutralidade político-partidária

Eduardo Appio é crítico quanto a postura do ex-juiz Sergio Moro

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O juiz federal Eduardo Appio, sucessor do agora senador Sergio Moro na condução dos processos referentes a operação Lava Jato, reconheceu que condução da ação penal contra o presidente Lula (PT) teve problemas jurídicos graves.

Como exemplo, o juiz cita a mudança de entendimento que permitiu a execução da pena antes de esgotados todos os recursos cabíveis.

“Quando o Judiciário cria um novo entendimento, uma nova jurisprudência, ela não pode se voltar para casos que já foram iniciados, se não ela seria mais gravosa e retroativa”, afirmou em entrevista ao G1. “Ela voltaria para o passado”.

Appio disse ainda que pretende colocar um fim a espetacularização do processo e resgatar a credibilidade e neutralidade político-partidária quanto aos processos em trâmite sob seu comando.

“A prisão do ex-presidente Michel Temer aconteceu em via pública, filmada, com uma série de policiais portando fuzis de alto calibre, calibre letal, para tratar de um ex-presidente, uma pessoa que bem ou mal é um notável jurista. Não se trata de ideologia”, criticou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.