Justiça

Maioria do STF considera ilegal produção de dossiê sobre opositores do governo

Nove dos ministros votaram pela ilegalidade do documento que une informação de servidores chamado de “antifascista”

Coelhos. O STF ainda não saiu da moita. Medo dos generais? - Imagem: Nelson Jr./STF
Coelhos. O STF ainda não saiu da moita. Medo dos generais? - Imagem: Nelson Jr./STF
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal formou maioria para declarar inconstitucional a produção e compartilhamento do dossiê elaborado pelo Ministério da Justiça com informações de servidores opositores do governo federal, classificados como antifascistas”.

O pedido de análise do documento pela Corte foi requerido pela Rede Sustentabilidade, que alega que o Ministério estaria adotando ação sigilosa contra opositores do governo, consideraNdo como desvio de finalidade do uso das instituições estatais para fins de interesse do Presidente da República.

Segundo o partido, a pasta estaria promovendo “aparelhamento estatal em prol de perseguições políticas e ideológicas a partir de uma bússola cujo norte é o governante de plantão: quem dele discorda merece ser secretamente investigado e ter sua imagem exposta em dossiês ‘da vergonha’ perante suas instituições laborais”.

Ainda conforme a sigla, “a finalidade intimidatória da investigação secreta revela-se claramente ao observarmos que, ao que consta, os dossiês já foram disponibilizados a outros tantos órgãos públicos – não se sabe com que tratamento de dados, embora provavelmente inapto para resguardar minimamente a privacidade dos ‘listados’ -, inclusive já havendo inúmeras reprimendas ou sanções veladas àqueles que figuravam na tal lista”.

A ministra Carmen Lúcia, relatora da ação, entendeu ser ilegal a elaboração do documento por considerar que “as atividades de inteligência devem respeitar o regime democrático, no qual não se admite a perseguição de opositores e aparelhamento político do Estado”, e anotou ainda que a produção de informações com objetivos privados pode ser caracterizada como desvio de finalidade.

“É imprescindível que a colheita de dados, a produção de informações e o respectivo compartilhamento entre os órgãos integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência se opere com estrita vinculação ao interesse público, observância aos valores democráticos e respeito aos direitos e garantias fundamentais”, apontou.

Acompanharam o voto os ministros Ricardo Lewandowski, Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Edson Fachin, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso e o presidente Luiz Fux.

O ministro André Mendonça não participou do julgamento, já que era ministro da Justiça à época dos fatos.

 

Marina Verenicz
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.