Justiça

Lava Jato: desembargadores do TRF-4 vão ao STF para tentar voltar ao cargo; Dino será o relator

Carlos Eduardo Thompson Flores e Loraci Flores de Lima foram afastados do cargo por ordem do CNJ

Foto: Divulgação/TRF-4
Apoie Siga-nos no

Os desembargadores Carlos Eduardo Thompson Flores e Loraci Flores de Lima, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, recorreram ao Supremo Tribunal Federal para tentar derrubar a decisão do Conselho Nacional de Justiça de afastá-los do cargo. O mandado de segurança tramitará sob a relatoria do ministro Flávio Dino.

Na última segunda-feira 15, o corregedor nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão, afastou os dois desembargadores, a juíza Gabriela Hardt (sucessora de Sergio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba) e o juiz Danilo Pereira Júnior (atual responsável pela 13ª Vara).

Na terça 16, o CNJ decidiu por 8 votos a 7 revogar o afastamento de Hardt e Pereira Júnior. No entanto, por 9 votos a 6, optou por manter a sanção imposta aos magistrados do TRF-4.

O afastamento resultou da inspeção conduzida pelo Conselho na 13ª Vara e no TRF-4, responsáveis pelos processos da Lava Jato na primeira e na segunda instâncias, respectivamente.

A investigação identificou indícios de conluio com o objetivo de destinar valores bilionários para serem usados com exclusividade por integrantes da força-tarefa da operação em Curitiba.

Segundo o CNJ, houve uma “gestão caótica” de verbas resultantes de acordos firmados com empresas pelo Ministério Público Federal e homologados pela 13ª Vara.

Ao acionarem o STF, Thompson Flores e Flores de Lima alegaram ser “absolutamente desproporcional o dano pessoal (dano seríssimo à imagem subjetiva e social) e institucional (afastam-se dois desembargadores de uma turma com trêscomponentes, inviabilizando o regular seguimento da jurisdição na Corte), por riscos atuais que se viram inexistentes”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo