Justiça

MPF repatria R$ 74 milhões da Suíça bloqueados em operação que mirou Cabral e Eike

O dinheiro foi depositado em conta judicial. O pedido de de repatriação partiu do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado

Sergio Cabral e Eike Batista. Fotos: Jason Silva/AFP e Marcos Oliveira/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público Federal informou ter repatriado 14,6 milhões de dólares (valor equivalente a 74 milhões de reais) de uma offshore da Suíça alvo de operação que mirou o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) e o empresário Eike Batista, em 2017.

O dinheiro foi depositado em conta judicial. O pedido de de repatriação partiu do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, o Gaeco. A 7ª Vara Federal do Rio autorizou ao MPF solicitar a devolução do dinheiro por meio de cooperação jurídica internacional. No total, cerca de 270 milhões de reais já foram repatriados.

As investigações apontaram que a conta na Suíça, registrada em nome da offshore Trueway Foundation, era operada por Eike e Cabral com o objetivo de lavar dinheiro. O valor foi bloqueado em 2019 na Operação Eficiência, braço da Lava Jato no Rio que apurava um suposto esquema de desvio e lavagem de dinheiro de contratos na gestão de Cabral.

À época, a Polícia Federal investigou a ocultação no exterior de aproximadamente 100 milhões de dólares. Na ocasião, os agentes chegaram a cumprir mandados de prisão contra Eike, Flávio Godinho, ex-braço direito do empresário e então vice-presidente de futebol do Flamengo, e outras seis pessoas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo