Justiça

Justiça anula depoimento de réus no caso Bruno e Dom e ouvirá novas testemunhas

Acusados deverão ser ouvidos novamente após depoimentos das testemunhas de defesa, conforme prevê o Código de Processo Penal brasileiro

O indigenista Bruno Pereira à esquerda e o jornalista Dom Phillips à direita - Foto: Reprodução/Redes Sociais e Marcos Corrêa/PR
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Regional da 1ª Região autorizou, nesta terça-feira 16, a oitava de novas testemunhas de defesa indicadas pelos advogados que representam os acusados dos homicídios do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips. 

Com a decisão, ficam anulados os depoimentos prestados pelos três réus, que deverão ser ouvidos novamente após as novas testemunhas, conforme determina o Código de Processo Penal brasileiro. 

Durante audiência de instrução, o juiz Fabiano Verli, do Fórum de Tabatinga, no interior do Amazonas, havia negado o depoimento das testemunhas arroladas pela defesa. 

“O tribunal entendeu que a decisão do juiz de indeferir a oitiva dos pescadores e dos familiares dos acusados era injusta”, explicou a defesa dos réus.

Amarildo da Costa de Oliveira, Oseney da Costa de Oliveira e Jefferson da Silva Lima estão presos, aguardando sentença da Justiça. 

Dom e Bruno foram vítimas de uma emboscada, no dia 5 de junho de 2022, enquanto navegavam pela comunidade de São Rafael, no Vale do Javari. 

Além dos três réus, as investigações apontaram que Rubén Dario da Silva Villar, conhecido como “Colômbia”, teria sido o mandante dos homicídios. 

Ele foi preso em dezembro de 2022 e também é investigado por pesca ilegal e tráfico de drogas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo