Economia

Por que o STF validou a restrição a políticos em estatais, mas não cancelou nomeações desde 2023

A Corte analisou uma decisão liminar do então ministro Ricardo Lewandowski expedida em março do ano passado

Foto: Gustavo Moreno/SCO/STF.
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta-feira 9 declarar constitucionais as restrições à indicação de políticos para a direção de empresas estatais impostas pela chamada Lei das Estatais.

Aprovada em 2016, sob o governo de Michel Temer (MDB), a legislação determina uma quarentena de 36 meses para que políticos e pessoas vinculadas a partidos possam assumir cargos de chefia em estatais.

A legislação veda a indicação para postos de diretoria e do Conselho de Administração ministros de Estado, secretários estaduais e municipais, ocupantes de cargos em comissão (sem concurso público) e dirigentes partidários.

O STF analisou uma liminar expedida pelo então ministro Ricardo Lewandowski em março de 2023 para suspender a quarentena, sob o argumento de que o prazo de três anos fere os princípios constitucionais da razoabilidade e da proporcionalidade.

Prevaleceu no julgamento a divergência inaugurada pelo ministro André Mendonça, que votou por considerar a norma constitucional. Seguiram esse entendimento Kassio Nunes Marques, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso.

Flávio Dino se manifestou contra a quarentena na maioria das situações, exceto na hipótese de a autoridade ser do órgão regulador da estatal. O decano do STF, Gilmar Mendes, também se inclinou nessa direção.

“No próprio âmbito da atividade privada, não se verifica a adoção de práticas corporativas semelhantes. Ao invés, são relativamente comuns casos de agentes políticos ou com histórico de atividade partidária e/ou na administração pública que, pouco após encerrar a função pública, passam a ocupar cargos de gerência ou administração em empresas privadas”, argumentou Gilmar.

Apesar de chancelar a validade da Lei das Estatais, porém, o STF decidiu por unanimidade que poderão permanecer em suas atuais funções as pessoas indicadas desde a concessão da ordem de Lewandowski.

O então ministro do Supremo emitiu a decisão provisória em março de 2023 por considerar que o pedido apresentado pelo PCdoB era urgente, diante da proximidade do prazo para as eleições de administradores e conselheiros de estatais.

Ao manter os efeitos da liminar, os ministros argumentaram ser necessário evitar instabilidades e inseguranças para a administração pública.

A Corte entende que a manutenção também preserva a boa-fé dos envolvidos e impede a substituição forçada da alta direção de estatais importantes, o que poderia causar prejuízos. A partir de agora, no entanto, todas as nomeações devem respeitar os requisitos da lei.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo