Justiça

Justiça aceita denúncia contra Crivella por ‘QG da Propina’

O ex-prefeito do Rio é acusado dos crimes de caixa 2 eleitoral, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A Justiça recebeu formalmente uma denúncia do Ministério Público Eleitoral contra o ex-prefeito do Rio de Janeiro e atual deputado federal Marcelo Crivella (Republicanos-RJ) em caso relacionado a suposto caixa 2. 

O caso ficou conhecido como “QG da Propina” na Prefeitura do Rio e envolve falsidade ideológica eleitoral, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. 

Crivella foi preso em dezembro de 2020, antes do fim de seu mandato como prefeito, acusado de chefiar a organização criminosa que fraudava contratos públicos. 

Um dos alvos da operação era o empresário Rafael Alves, homem de confiança de Crivella e apontado como negociador dos acordos com a Prefeitura. 

Segundo a acusação, a organização arrecadou mais de 50 milhões de reais desde 2016, ainda antes da eleição de Crivella à Prefeitura do Rio. A campanha teria recebido cerca de 1 milhão de reais em dinheiro vivo de um grupo de empresários. O valor não foi declarado na prestação de contas da campanha, caracterizando caixa 2. 

A Justiça aceitou formalmente a denúncia e abriu prazo para que Crivella se defenda das acusações. Após a manifestação, o juiz decidirá se confirmará o recebimento da peça, abrindo uma ação penal e tornando o ex-prefeito réu. 

Em nota, a defesa de Crivella apontou que “o próprio Ministério Público Eleitoral afirmou há dois anos que não há nenhuma prova contra o ex-prefeito que justificasse um processo criminal”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.