Criança vítima de estupro aguarda há quatro dias realização de aborto

Caso ocorreu no Espírito Santo. Principal suspeito do crime é o namorado da avó da garota

Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Justiça

Uma menina de 11 anos, que mora em Mucurici, no norte do Espírito Santo, aguarda há quatro dias a realização de um aborto legal. A informação é da Folha de S.Paulo.

De acordo com a publicação, a criança teve a gestação de oito semanas identificada na última quinta-feira 27, durante atendimento médico. Ela já teria transitado entre ao menos duas cidades sem ter acesso ao procedimento.

Na última sexta-feira 28, a vítima foi encaminhada em um carro comum à cidade de São Mateus, localizada a 133 km de distância de sua cidade natal. O município é o mesmo onde uma menina de 10 anos foi abusada sexualmente pelo tio.

O principal suspeito do crime é o namorado da avó da garota. Ele foi preso preventivamente.

Segundo o promotor responsável pelo caso, Edilson Tigre Pereira, a criança apresenta descolamento de placenta.

Ele justificou a transferência como necessidade de resguardar a vítima. “Eu sugeri a retirada da menina de Mucurici para evitar pressão”, afirma. No entanto, no sábado 29, a criança já se encontrava em Mucurici novamente.

A legislação brasileira garante o direito ao aborto legal em casos de gravidez após estupro, de feto anencéfalo e quando há risco de morte materna.

Novos procedimentos

Na última semana, o Ministério da Saúde atualizou os procedimentos de justificação e autorização da interrupção da gravidez, nos casos previstos em lei, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

A nova norma prevê que, antes da aprovar a interrupção da gravidez, a equipe médica deverá informar a gestante acerca da possibilidade de visualizar o feto ou embrião por meio de ultrassonografia, caso assim deseje. Para isso ela deverá proferir expressamente sua concordância, de forma documentada.

A portaria anterior, de 2005, previa que esses procedimentos de justificação e autorização não eram necessários nos casos que envolvem riscos de morte da mulher.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem