Política

Ex-esposa de miliciano foi demitida por Queiroz para poupar Flávio Bolsonaro

Ministério Público aponta que Fabrício Queiroz demitiu a funcionária para evitar associações feitas entre a milícia, ele e Flávio

Flávio Bolsonaro e o ex-assessor, ex-amigo, ex-morista e ex-policial Fabrício Queiroz (Foto: Reprodução) Flávio Bolsonaro e o ex-assessor, ex-amigo, ex-morista e ex-policial Fabrício Queiroz. Ele contratava familiares de milicianos para trabalhar no gabinete do Flávio, mas este não sabia de nada. (Crédito: Reprodução)

A ex-esposa de um miliciano foi demitida do gabinete do senador Flávio Bolsonaro após investigações apontarem irregularidades financeiras nas contas do seu ex-assessor, Fabrício Queiroz, segundo informa reportagem do jornal O Globo desta quinta-feira 05.

Danielle Mendonça da Costa de Nóbrega é ex-esposa de Adriano Magalhães da Nóbrega, também conhecido como “Capitão Adriano”. Ele é apontado como um dos líderes do Escritório do Crime, uma quadrilha da zona oeste carioca, e está foragido da polícia, que apreendeu o celular de Danielle e teve acesso às mensagens trocadas entre ela e o ex-assessor.

Fabrício Queiroz entrou em contato com Danielle para informá-la da desoneração no dia que movimentações suspeitas foram identificadas nas contas dele. A justificativa foi a própria investigação. Procurado pela reportagem, Queiroz afirmou o conteúdo e disse que a exoneração foi feita para “evitar que se pudesse criar qualquer suposição espúria de um vínculo entre ele e a milícia”.

Danielle reclamou, depois, para o ex-marido, que teria dito que resolveria a situação, segundo fontes ouvidas pelo jornal. O celular dela foi apreendido pelo pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) durante a Operação “Os Intocáveis”, do Ministério Público do Rio de Janeiro, que aconteceu em janeiro e prendeu 13 milicianos. Adriano Nóbrega teve mandado de prisão decretado na época, mas não foi encontrado até hoje.

De acordo com a investigação do MP-RJ, Danielle não atuou, por mais de uma década, na função que ela supostamente ocupava dentro da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). De 6 de setembro de 2007 a 13 de novembro de 2018, ela não chegou a ter nenhum crachá no local, mas recebia  salário mensal de R$ 6.490,35.

A mãe de Adriano, Raimunda Veras Magalhães, também chegou a ter cargo no gabinete de Flávio. Movimentações do salário dela e de mais funcionários foram destaques das investigações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que identificou a transferência de salários de assessores parlamentares para a conta de Fabrício Queiroz.

As investigações desse caso foram bloqueadas após decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, que suspendeu o uso de informações obtidas pelo órgão sem autorização judicial prévia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!