Justiça

Após lei aprovada no Congresso, governo Lula vai ao CNJ e pede definição de critérios para ‘saidinhas’

Com a nova lei, detidos por assassinato, latrocínio, estupro, tráfico de drogas, roubo à mão armada, pedofilia e qualquer outro crime hediondo ou violento não terão direito à saída

Foto: Secom/Polícia Civil
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Justiça e a Advocacia-Geral da União pediram que o Conselho Nacional de Justiça regulamente a nova lei da saída temporária de presos e estabeleça critérios para orientar juízes na concessão do benefício. A solicitação foi encaminhada nesta segunda-feira 15.

A avaliação é que o texto, aprovado no Congresso e sancionado pelo presidente Lula (PT) na última semana, pode levar à divergência nos critérios para concessão do benefício entre as instâncias do Judiciário. A nova lei revogou uma norma que fixava os critérios para a concessão das chamadas ‘saidinhas’.

Até então, a legislação estabelecia que presos em regime semiaberto, que tivessem cumprido um sexto do total da pena e que tivessem bom comportamento poderiam deixar o presídio por cinco dias para visitar a família em feriados, estudar fora ou participar de atividades de ressocialização.

O projeto aprovado no Congresso, contudo, previa acabar com esse benefício. Esse foi exatamente o trecho vetado por Lula, sob alegação de que proibir o convívio social do preso é inconstitucional. O Congresso Nacional poderá, no entanto, derrubar o veto de Lula, o que aponta para uma nova polêmica na relação entre o Executivo e o Legislativo.

O CNJ também precisará fixar as diretrizes para a realização do exame criminológico, procedimento necessário à progressão de regime. Espera-se que o colegiado defina um prazo razoável para a realização do exame e as consequências para eventuais atrasos na realização do exame.

Com a nova lei, detidos por assassinato, latrocínio, estupro, tráfico de drogas, roubo à mão armada, pedofilia e qualquer outro crime hediondo ou violento não terão direito à saída temporária.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo