Alexandre de Moraes prorroga inquérito das fake news por 6 meses

STF apura disseminação de informações falsas e ameaças aos magistrados do STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Justiça

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), prorrogou por 180 dias o prazo para as investigações do inquérito nº 4.781, que trata da disseminação de fake news, ofensas e ameaças a magistrados da Corte.

A decisão foi divulgada nesta quarta-feira 1. Em documento, Moraes escreveu que considerou “a necessidade de prosseguimento das investigações e a proximidade do recesso” para estender o prazo. A contagem é feita a partir de 15 de julho, data prevista anteriormente para o encerramento das apurações.

As investigações incluem aliados do presidente Jair Bolsonaro. No último mês, o STF julgou um pedido de suspensão do inquérito e decidiu pela continuidade. O ministro Edson Fachin classificou como “inadmissíveis” as defesas da ditadura militar e do fechamento do Congresso Nacional e do STF.

A manutenção do inquérito é interpretada como uma derrota ao chefe do Palácio do Planalto, que já afirmou que os magistrados “estão abusando”.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) chegou a afirmar que, após a instauração do inquérito, é questão de “quando” vai haver uma ruptura com o sistema democrático no Brasil. A declaração fez o filho do presidente virar alvo de apuração aberta pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Blogueiros bolsonaristas também protestaram contra o inquérito por meio de um manifesto assinado por 29 nomes, entre eles, do criador do canal Terça Livre, Allan dos Santos. No texto, pede-se ao chefe do Executivo o lançamento de um decreto que impeça que agentes da Polícia Federal cumpram diligências ligadas à investigação.

Empresários como o dono da Havan, Luciano Hang, e Edgard Corona, da rede de academias SmartFit, foram listados em operação da Polícia Federal.

Também estão na mira deputados como Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Daniel Silveira (PSL-RJ), Filipe Barros (PSL-PR), Junio do Amaral (PSL-MG) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP).

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem