Educação

Weintraub ofende mãe de internauta: “Égua sarnenta e desdentada”

Ministro da educação bateu boca pelo Twitter com usuários que o criticaram por desqualificar a proclamação da República

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil Abraham Weintraub (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Apoie Siga-nos no

O ministro da educação Abraham Weintraub ofendeu pelo menos dois internautas pelas redes sociais nesta sexta-feira 15. No dia em que a proclamação da República completa 130 anos, Weintraub dedicou a maioria de suas postagens no Twitter para enaltecer figuras monárquicas. Em uma de suas publicações, chegou a dizer que a República foi uma “infâmia” contra Pedro II, “um patriota, honesto, iluminado, considerado um dos melhores gestores e governantes da História”, escreveu.

As postagens geraram reação dos internautas que acusavam o ministro de desconhecer a história do País. O ministro chegou a responder alguns comentários de maneira bastante agressiva. Uma internauta posta a Weintraub: “Se voltarmos à monarquia, certamente vocês será nomeado bobo da corte”. Ao que o ministro responde: Uma pena, prefiro cuidar dos estábulos, ficaria mais perto da égua sarnenta e desdentada da sua mãe”.


O comportamento agressivo do ministro também se voltou para outro usuário que o criticou nas redes sociais.

Na descrição do perfil de Weintraub ele traz a frase: “Meu twitter, minhas regras”. Nas redes, já circulam pedidos para que o ministro da educação seja demitido do cargo pela postura com as pessoas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo