SP: Sindicato de professores anuncia greve contra aulas presenciais

Instituição contabiliza, até o momento, 79 escolas públicas em todo o estado e cinco escolas privadas com casos confirmados de Covid-19

Créditos: EBC

Créditos: EBC

Educação

O Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo (Apeoesp) anunciou, esta sexta-feira 5, que entrará em greve a partir do dia 8 de fevereiro, data em que está marcada a volta das aulas presenciais na rede estadual. A adesão é de 81,8% dos  5 mil professores que participaram de uma assembleia virtual.

 

 

O movimento questiona a retomada das aulas presenciais diante o aumento de casos e mortes decorrentes da pandemia, a estrutura sanitária para receber alunos e professores e os casos já relatados em algumas unidades. A Apeoesp apontou 147 casos de Covid-19 em escolas que tiveram algum tipo de atividade presencial.

Uma das escolas da capital paulista, a Ermelino Matarazzo, na zona leste chegou a anunciar que não retomaria as atividades no dia 8 depois da confirmação de dois casos e mais cinco em suspeição.

O levantamento de escolas com casos confirmados feito pela Apeoesp contabiliza, até o momento, 79 unidades públicas em todo o estado e cinco privadas.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem