Educação

Material didático no Paraná ‘ensina’ diferenças entre ‘mentalidade rica’ e ‘mentalidade pobre’

Sindicato que representa professores acusa a Secretaria de Educação de promover ‘estigmatização da pobreza’

O governador do Paraná, Ratinho Junior. Foto: Divulgação/Assembleia Legislativa PR
Apoie Siga-nos no

A Secretaria de Educação do Paraná vem sendo acusada de promover ‘estigmatização da pobreza’ ao abordar conteúdos sobre educação financeira com os estudantes do 6º ano do Ensino Fundamental.

O material de apoio sugere que os alunos aprendam ‘as principais diferenças entre pessoas de mentalidade rica e de mentalidade pobre’, apontando uma lista de características que, supostamente, permitiriam reconhecer cada um dos perfis.

Uma pessoa de ‘mentalidade rica’, conforme o material, assume os próprios erros, vê as adversidades como aprendizado, tem ânsia de aprender, planeja o futuro e faz o dinheiro trabalhar. Já alguém de ‘mentalidade pobre’ culpa os outros e o governo, vê as adversidades como insuperáveis, não planeja o futuro e trabalha pelo dinheiro.

“A pergunta mais importante que deve responder a si mesmo é: para onde a sua mentalidade financeira atual está te levando?”, diz ainda a peça de apoio.

Ao divulgar trechos do conteúdo nas redes sociais, o APP Sindicato, que representa professores e funcionários de escolas do Paraná, criticou a Secretaria de Educação pelo que vê como “estigmatização da pobreza”.

“Senhoras e senhores: material de apoio de educação financeira para o 6° ano da rede estadual do Paraná (Educação Integral). Estigmatização da pobreza. Glorificação do dinheiro. Total ignorância sobre a realidade dos estudantes da escola pública”, escreve a entidade. “Redução da abissal desigualdade do País a uma questão de mérito individual. A ilusão de que é possível sair da miséria por meio da força de vontade. Ideologia de herdeiro, autoajuda barata e coach quântico substituindo as ciências sociais e o debate sobre as raízes da pobreza.”

O material compôs programas educacionais de educação em tempo integral do estado, sob o governo de Ratinho Junior (PSD-PR).

Em nota encaminhada à reportagem de CartaCapital, a Secretaria de Educação do Paraná informou que o conteúdo foi retirado da plataforma que disponibiliza referências para as aulas. Disse ainda que a peça foi desenvolvida por um professor e que ela não foi validada pela gestão estadual, uma vez que os docentes têm autonomia para alterar os materiais ou não utilizá-los.

A pasta declarou também ter aberto um procedimento interno para avaliar como o conteúdo foi produzido e de que forma ele foi disponibilizado na plataforma. “Afinal, ele não condiz com a visão da pasta sobre educação financeira. A ideia é educar financeiramente os alunos. Não rotulamos, julgamos ou dividimos as pessoas”, sustentou a secretaria.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo