Educação

Greve na educação: sem reajustes em 2024, governo apresenta nova proposta para os próximos anos

Docentes definiram 27 de maio como limite para responder ao governo federal

Créditos: Reprodução Andes
Apoie Siga-nos no

O governo federal apresentou nesta quarta-feira 15 uma nova proposta de negociação aos docentes de universidades e institutos federais, que estão em greve há um mês.

O plano continua a não prever reajuste para a categoria em 2024, mas reformula os índices de recomposição salarial, em uma variação de 13,3% a 31% até 2026.

Após a reunião, a 1ª Tesoureira do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior, Jennifer Susan Webb, afirmou que apenas a partir da análise do novo cenário será possível “compreender os percentuais que vão incidir na remuneração”, uma vez que cada classe teria um nível diferente de reajuste.

A categoria definiu 27 de maio como limite para responder ao governo federal. A manifestação ocorrerá após novas assembleias a serem realizadas pelo comando de greve, representado pelo Andes e pelo Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. Até lá, a greve continua.

Na próxima terça-feira 21, o governo federal ainda deve formalizar uma proposta de reajuste aos técnicos administrativos das universidades e dos institutos da rede federal, categoria que deflagrou uma greve antes mesmo dos docentes.

O secretário de Relações de Trabalho do Ministério da Gestão e da Inovação, José Lopez Feijóo, defendeu a proposta do governo, apresentada como a última saída viável para este ano. “Se nós considerarmos o reajuste concedido a todos os servidores e servidoras públicos federais no ano de 2023, de 9%, significa que o reajuste proposto agora para os docentes vai variar entre 23% a 43%, no período dos quatros anos do mandato do governo Lula.”

Segundo o secretário, haveria uma recomposição de toda a inflação prevista para o atual mandato e ” uma importante recuperação de perdas dos governos passados que sequer recebiam os trabalhadores e trabalhadoras para qualquer tipo de diálogo ou de negociação”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo