Educação

Entenda a ‘greve’ de professores de São Paulo contra plataformas impostas por Tarcísio e Feder

Docentes criticam a fixação de metas de acesso e apontam que as decisões do governo empobrecem a formação dos estudantes

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, o secretário estadual de Educação, Renato Feder, em 23 de junho de 2023. Foto: Fernando Nascimento/Governo de São Paulo
Apoie Siga-nos no

Cerca de 70 mil professores, o equivalente a 35% dos docentes da rede estadual de São Paulo, aderiram à chamada “greve dos aplicativos”, durante a qual não usarão as plataformas digitais impostas pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) e pelo secretário de Educação, Renato Feder. A estimativa é do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, a Apeoesp, que organizou a greve entre 13 e 19 de maio.

A mobilização também conta com o apoio de diretores de escolas. Os profissionais da educação questionam o uso obrigatório de diversos apps em sala de aula e suas metas de acesso, o que, segundo eles, elevou a pressão sobre o trabalho e contribuiu para um esvaziamento curricular.

A reportagem de CartaCapital conversou reservadamente com o diretor de uma escola da Grande São Paulo que se referiu aos programas como “plataformas de vigília”. Ele preferiu não se identificar por temer represálias do governo.

“Um dos problemas é que nós, gestores das escolas, temos de ficar nessas plataformas controlando o acesso dos professores e a frequência dos alunos a todo momento”, relatou.

Os diretores ainda podem sofrer punição caso as escolas não alcancem as metas de utilização dos apps. A Secretaria de Educação instituiu uma avaliação de desempenho desses profissionais, aferida bimestralmente, em que um dos critérios envolve exatamente o “uso das plataformas digitais”.

O texto da Resolução 04 da secretaria prevê que os diretores que atingirem um grau insatisfatório na avaliação podem, por exemplo, ser removidos para outra unidade escolar ou submetidos a um curso de capacitação.

A rede disponibiliza 17 aplicativos para uso nas escolas, alguns para fins de gestão – como controle de frequência -, outros para registro de atividades escolares.

Professores criticam a perda de cada vez mais espaço na condução da aprendizagem, uma vez que as aulas passaram a ser norteadas por slides da plataforma Centro de Mídias SP e orientadas à resolução de atividades nos aplicativos, avaliadas como rasas e desconectadas do desenvolvimento dos estudantes.

Segundo o diretor que conversou sob reserva com a reportagem, as plataformas são “verticalizadas” e carregam conteúdos pré-determinados que exigem pouca mediação dos professores. Ele diz não ser contrário à tecnologia no aprendizado, mas rejeita a ideia de os docentes se tornarem reféns das plataformas e perderem parte de sua liberdade de cátedra.

Em 13 de maio, dia de início da “greve”, a Diretoria de Ensino de Sorocaba encaminhou uma circular aos diretores escolares enfatizando que os professores das categorias A, F e O integram a rede estadual e, portanto, “devem cumprir com as determinações da Secretaria de Educação”.

O texto, assinado pela dirigente de ensino Rossenilda Gomes Farias, ainda defendia a adoção das plataformas digitais e dizia que a recusa de utilizá-las impactaria nos indicadores educacionais e na avaliação da escola.

A orientação à equipe gestora era comunicar ao supervisor de ensino responsável “qualquer ato de desobediência e/ou insubordinação”, a fim de abrir uma apuração de supostas irregularidades, com possíveis penalidades.

A deputada estadual Professora Bebel (PT-SP), liderança da Apeoesp, disse à reportagem que o movimento pretende provocar o governo a debater amplamente o assunto com a categoria. “Uma coisa é utilizarmos as plataformas digitais como incremento do trabalho pedagógico, mas elas não podem substituir o professor”, criticou. “Eles nos devem respostas quanto a isso.”

“Não tenho vontade de ir para a escola

Alunos compartilham da insatisfação. Yasmin Lourenço Cardoso, de 17 anos, estudante do 3º ano do ensino médio, relatou a CartaCapital se sentir desmotivada a frequentar a escola, diante da intensa “plataformização” do ensino. Ela não se sente preparada para prestar o Enem ou vestibulares.

“O nosso ensino está sendo limitado a slides, sem interação dos professores, além de um acúmulo dessas atividades padronizadas para responder”, resumiu a jovem. “Eu não tenho vontade alguma de ir para a escola, porque essas plataformas eu conseguiria acessar da minha casa. Procurei a escola pela qualidade de ensino que ela oferecia.”

“Eu sou a favor da paralisação dos aplicativos pelos professores. Eu gostaria que tirassem essas plataformas e que o ensino voltasse a ser o que era antes, garantindo aos estudantes uma grade com todas as matérias que são cobradas pelos vestibulares.”

Aquisição de equipamentos

Para o professor da Faculdade de Educação da USP Fernando Cássio, o cenário criticado pelos docentes tem relação com a carreira de Renato Feder. “A Secretaria de Educação é administrada por um empresário da tecnologia, que não tem nada a ver com a educação e que não se mostra capaz de entender a complexidade e as nuances do processo educativo, seus tempos e suas relações necessárias.”

O pesquisador avalia que a “plataformização” é um pretexto para justificar a aquisição de equipamentos.

“Nada disso é feito com o intuito de ampliar recursos ou enriquecer o trabalho pedagógico”, prosseguiu. “O que se vê é um aumento de controle e uma estratégia para justificar a compra desses equipamentos, aliada a uma obrigatoriedade de uso com metas que, no limite, têm causado o adoecimento coletivo da categoria, sob ameaças de afastamento e perda de cargo.”

Em setembro de 2023, uma reportagem de CartaCapital registrou um movimento semelhante de descontentamento sobre o excesso de plataformas digitais entre diretores e professores do Paraná. A crítica era de que esse havia sido o legado deixado por Renato Feder à frente da Secretaria de Educação do estado, entre 2019 e 2022.

 

O que diz a Secretaria de Educação

Em nota, a Secretaria da Educação disse estar aberta ao diálogo e apoiar a livre manifestação em âmbito democrático. Justificou que as plataformas digitais são recursos tecnológicos agregadores na produção pedagógica desenvolvida em sala de aula, e auxiliam na melhoria constante do ensino para todos os estudantes. “De maneira alguma, elas substituem o trabalho do professor”, reforçou.

Ainda de acordo com a pasta, cabe ao professor decidir como utilizar as plataformas oferecidas pela Seduc-SP frente à realidade de suas turmas de estudantes, garantindo o atendimento dos objetivos de aprendizagem previstos no Currículo Paulista.

Sobre o processo de avaliação do desempenho do diretor da escola, a pasta ponderou que a Resolução Seduc-SP nº 04/2024 é muito mais abrangente e envolve também indicadores de frequência escolar, participação nas avaliações bimestrais e vulnerabilidade, não havendo qualquer menção específica para aqueles que tiverem indicadores insatisfatórios no uso das plataformas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo