Educação

Deputados acionam o TCU contra possível interferência no Enem e querem convocar Milton Ribeiro

‘Como seria o Enem com a cara de um miliciano?’, ironizou o líder da Minoria na Câmara, deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ)

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Alan Santos/PR
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Educação, Milton Ribeiro. Foto: Alan Santos/PR

Deputados de oposição articulam a convocação do ministro da Educação, Milton Ribeiro, para que ele forneça explicações sobre possível interferência do governo de Jair Bolsonaro na formulação de questões do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, marcado para 21 e 28 de novembro.

Lideranças também defendem o afastamento de Danilo Dupas Ribeiro, presidente do Instituto de Estudos Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, o Inep.

“A fala do presidente que diz que o Enem tem cada vez mais a cara do governo é uma confissão de uma interferência indevida”, disse a jornalistas nesta terça-feira 16 o líder da Oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ).

“Por esta razão, estamos propondo a convocação do ministro da Educação e representamos ao Ministério Público do Trabalho e ao Tribunal de Contas da União para que as devidas medidas sejam tomadas, essa interferência seja imediatamente interrompida e seja garantida a integridade do exame e a prevalência de critérios técnicos e não ideológicos nas provas”, completou Molon.

A ideia é de que Milton Ribeiro preste esclarecimentos à Comissão de Educação da Casa, presidida pela deputada Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO).

Na segunda-feira 15, durante viagem a Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, Jair Bolsonaro disse que agora as questões do Enem “começam a ter a cara do governo”.

“Ninguém precisa ficar preocupado. Aquelas questões absurdas do passado, que caíam tema de redação que não tinha nada a ver com nada. Realmente, algo voltado para o aprendizado”, acrescentou o ex-capitão.

O líder da Minoria, Marcelo Freixo (PSB-RJ), ironizou a declaração pelas redes sociais. “Como seria o Enem com a cara de um miliciano?”, escreveu. Freixo também defendeu a saída de Danilo Dupas do Inep, medida “fundamental para que os servidores técnicos retornem e a prova do Enem seja realizada com segurança”.

Freixo afirmou que, ao lado dos demais deputados do PSB, acionará o TCU para que Dupas seja retirado do cargo.

Além da declaração de Bolsonaro, a reação dos deputados oposicionistas é impulsionada pela demissão de mais de trinta funcionários do Inep na semana passada. No pedido de exoneração encaminhado à diretoria do órgão, os servidores justificam a saída pela “fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima” e mencionam episódios de assédio moral.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!