Editorial

Lula, CartaCapital nunca se deixou enganar por Moro e pela República de Curitiba

Em entrevista, o ex-presidente se esquece do nosso papel na denúncia das mazelas da Lava Jato

Leia antes que aconteça, dizia um velho slogan de CartaCapital. Atualíssimo, como se vê
Leia antes que aconteça, dizia um velho slogan de CartaCapital. Atualíssimo, como se vê
Apoie Siga-nos no

Em seu périplo de entrevistas a emissoras de rádio, o ex-presidente Lula, líder das pesquisas e favorito nas eleições presidenciais deste ano, conversou com profissionais da ­Super Notícia, de Belo Horizonte. No fim do encontro, os apresentadores provocaram o petista a analisar três adversários: Jair Bolsonaro, Ciro Gomes e ­Sergio ­Moro. Bolsonaro é “um psicopata”, na visão do ex-presidente, e Ciro, apesar de ser um “quadro político muito qualificado”, anda “perdido”.

Reproduzirei de forma menos sucinta o que Lula disse a respeito de Moro: “Nem me fale dessa pessoa, porque é uma pessoa asquerosa. É o maior mentiroso que já passou pela história do Brasil (…) Ele conseguiu enganar 100% da imprensa e 100% da política e da sociedade. Mas, como mentira não dura a vida inteira, a casa caiu”.

Nada disso, Lula. Moro pode ter ludibriado o oligopólio, a imprensa que se autointitula profissional, os meios de comunicação hegemônicos, a “grande mídia”, como dizem pateticamente alguns. Fica ao talante do ex-presidente escolher o termo que melhor lhe convém. Também caberia perguntar se o ex-juiz enganou, cooptou, foi cooptado ou fez uma parceria com essa turma. O verbo enganar dá o benefício da dúvida que grande parte do jornalismo brasileiro não merece. Injusto é, no entanto, o porcentual de 100%.

CartaCapital nunca se deixou enganar e pagou um preço, ao ser perseguida por Moro e pela República de Curitiba. Desde o início, a revista manteve a independência e recusou-se à submissão da máquina de propaganda da Lava Jato, na qual profissionais com um mínimo de espírito crítico, que se recusassem a servir de meros taquígrafos dos procuradores, eram imediatamente excluídos do circuito de distribuição das “notícias”. Para ser agraciado com a boa vontade do juiz e da força-tarefa, convinha não perguntar, questionar, ponderar. Apontamos os esbirros autoritários, os abusos de poder, os atropelos legais da operação, a destruição da economia, a omissão dos poderes que poderiam ter impedido o projeto político da força-tarefa e do ex-magistrado. Sim, falamos em “projeto político” antes mesmo de ele se tornar inegável, com a nomeação de Moro ao posto de ministro da Justiça de Bolsonaro, maior beneficiado pela prisão de Lula e pelo ­impeachment de Dilma Rousseff, e pela posterior pré-candidatura à Presidência. Apontamos o conluio do juiz que deveria se portar de maneira imparcial com os procuradores da República. Buscamos informações a respeito da influência dos Estados Unidos, denunciamos o uso de procedimentos ilegais, entre eles grampos na cela de suspeitos, prisões por tempo indeterminado e a evocação de processos fora da jurisdição do Paraná. E o fizemos quando a Lava Jato era inquestionável, unanimidade nacional, antes de o hacker de Araraquara ter cedido a Glenn ­Greenwald e ao Intercept Brasil as conversas via ­Telegram que expuseram as entranhas da operação e não deixaram pedra sobre pedra. A sequência de capas reproduzida neste espaço ilustra a coragem do nosso jornalismo.

De fato, Lula, muita gente, na imprensa, na Justiça e na sociedade, se enganou, se deixou enganar, virou o rosto, se escondeu, emudeceu, fez de conta, aplaudiu, se beneficiou. Não foi o caso de CartaCapital. •

PUBLICADO NA EDIÇÃO Nº 1201 DE CARTACAPITAL, EM 30 DE MARÇO DE 2022.

Este texto aparece na edição impressa de CartaCapital sob o título “Lula, tu quoque?”

Sergio Lirio

Sergio Lirio
Redator-chefe da revista CartaCapital

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.