Editorial

assine e leia

A origem do mal

O Brasil ainda sofre as consequências da mais torpe, velhaca, feroz escravidão do Ocidente autoproclamado civilizado e cristão

Na versão de Debret, Caim açoita Abel, para deleite do senhor do engenho – Imagem: Coleção Itaú Cultural
Apoie Siga-nos no

Uma longa conversa com Umberto Eco marcou profundamente meus pensamentos. O encontro deu-se em São ­Paulo, na casa de um amigo. Éramos ambos jovens, ele com 36 anos, eu com dois a menos. Naquele momento, eu saía do Jornal da Tarde e ia para a Editora Abril dirigir aquela que ainda não era a Veja, por atravessar uma prolongada gestação, esticada de janeiro a setembro de 1968. Observei que a revista seria, sobretudo, de textos. Victor Civita, dono da Abril, determinou: “Então, colocaremos também em tipo muito menor e leia. Veja e leia fica muito bem”. E assim foi.

Volto à conversa com Eco, recomendou-me a leitura de um livro de ­Robert Knox, intitulado Iluminados e Carismáticos, história das grandes heresias a pontilharem a trajetória da Santa­ ­Romana Igreja. Esclareceu Eco: “Aludo, entre outras coisas, aos fanáticos do Apocalipse, que medram em todos os cantos e ainda pregam a desgraça”. Foi a premonição de eventos futuros fadados a abalar o mundo. Disse também que percebia no Brasil, como próprio das raí­zes nativas, um tormentoso humor inquietante e maligno. Aquilo me tocou e voltou várias vezes ao meu pensamento.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo