Editorial

assine e leia

À espera do apocalipse

A guerra no Oriente Médio mostra largamente que o Estado Judeu nada aprendeu com a feroz perseguição nazista

Eis os grandes vilões do conflito insano: o algoz alegra-se com a sua própria ferocidade enquanto Biden exibe a expressão de conivente pobre-diabo – Imagem: Andrew Caballero-Reynolds/AFP e Amos Ben Gershom/Gabinete do Primeiro Ministro de Israel
Apoie Siga-nos no

Se, de improviso, os ouvidos do leitor forem alcançados por um ruído inédito, estranho e eventualmente avassalador, não se espante. Trata-se do tropel dos cavaleiros do Apocalipse. São quatro e representam a guerra, o fogo, a fome e a pestilência. Periodicamente assolam o mundo, esta modesta bola de argila destinada a rodar elipticamente em torno do Sol.

Civilizações desapareceram da face do planeta, por obra destes eventos cruentos. Outras ocasiões houve para convocar os cavaleiros, motivadas pela própria natureza. Segundo ­Nietzsche, a natureza criou o homem e o mistério de um universo sem tempo e espaço. Assim desapareceram os reinos mesopotâmicos e com eles a Babilônia, e daí por diante os hititas, os assírios, os egípcios e outros mais. Cabe aqui, inclusive, a história da Atlântida e mesmo de uma civilização completamente desconhecida, embora tragada pelo Mar do Norte no quadro de um cataclismo capaz de criar o Báltico, a Inglaterra e a Irlanda, bem como os países nórdicos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.