Economia

Tributação em sites como Shein e AliExpress estará firmada já no ato da compra, diz Haddad

A proposta surge em meio ao impasse sobre a tributação de compras de até US$ 50 feitas em sites de e-commerce estrangeiros

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, em entrevista em Pequim, nesta sexta-feira 14. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), afirmou que a pasta pretende adotar um modelo a permitir a cobrança de impostos no ato da compra em plataformas internacionais de e-commerce, como Shein e AliExpress.

A declaração foi concedida durante entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo nesta segunda-feira 24.

A medida, chamada de “plano de conformidade” da Receita Federal, teria sido aprovada pelas varejistas em reunião na última semana. De acordo com Haddad, o mecanismo tem o objetivo de garantir a “concorrência justa com o varejo local”.

“Quando você entra, nos Estados Unidos, num site para comprar, está lá dito: todos os impostos devidos estão incluídos nesse preço. Quando o consumidor recebe, ele recebe uma remessa totalmente desembaraçada. Não está sujeita mais a nada, porque no pagamento já foi feito”, pontuou. “Quando um consumidor compra um bem, a empresa já está, pelo plano de conformidade, autorizando o poder público a descontar daquilo que o consumidor já pagou o que deveria recolher”.

A proposta surge em meio ao impasse sobre a tributação de compras feitas em sites de e-commerce estrangeiros. Atualmente, a Receita Federal mantém a isenção sobre as encomendas que custam até 50 dólares.

Durante o encontro com Haddad, a Shein se comprometeu a fechar parcerias com cerca de 2 mil comerciantes brasileiros, medida que contribuiria para a geração de ao menos 100 mil empregos. A empresa ainda disse que investirá 150 milhões de dólares ao longo dos próximos três anos com o objetivo de “aumentar a competitividade das fabricantes têxteis” através de investimentos em tecnologia e equipamentos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo