Economia

assine e leia

Sem fumaça

O governo federal estabelece uma abrangente política de combustíveis renováveis

Apostas. A gasolina de aviação terá adição de 10% de etanol até 2037. A palma produz dez vezes mais óleo por hectare do que a soja – Imagem: iStockphoto
Apoie Siga-nos no

Com o lançamento do Programa Combustível do Futuro na quinta-feira 14, o governo Lula completa o tripé de sustentação da sua estratégia para a descarbonização e o enfrentamento das mudanças climáticas, além de indicar um rumo para a indústria e o setor de transportes. Ao mesmo tempo, aponta o caminho para a inserção internacional do Brasil no momento em que há uma corrida de países e empresas para remontar as cadeias produtivas globais em bases estáveis e a partir de energia limpa. Além do programa, apoiado na autossuficiência do País em combustíveis renováveis, o tripé inclui a bioeconomia e a preservação ambiental e conta também com forte inserção internacional. O conjunto constitui, segundo alguns especialistas, o maior projeto de descarbonização do mundo.

O programa consiste em um conjunto de iniciativas para reduzir a dependência de combustíveis fósseis e a emissão de gases de efeito estufa, com previsão de investimentos de 250 bilhões de reais. O lançamento ocorre uma semana depois do anúncio, por Lula, pelo premier indiano Narendra Modi e pelo presidente norte-americano Joe Biden, em reunião paralela à do G-20, da Aliança Global de Biocombustíveis, grupo com 19 países que, segundo a coordenação do encontro, “pretende acelerar a adoção global de biocombustíveis, facilitar os avanços tecnológicos, intensificar a utilização de biocombustíveis sustentáveis e moldar o estabelecimento de padrões robustos e a certificação através da participação de um amplo espectro de partes interessadas”. A aliança também funcionará como um repositório central de conhecimento e um centro de especialistas. A GBA visa ainda servir como uma plataforma de promoção da colaboração global para o avanço dos biocombustíveis. Brasil, Índia e EUA estão entre os cinco principais produtores de etanol do mundo.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.