Economia

Prévia do PIB aponta para crescimento de 1,17% em julho, puxada por serviços

Foi o segundo mês seguido de expansão da atividade econômica. O comércio, porém, recua

Os trabalhadores do setor de serviços, com maiores dificuldades de organização, estão entre os principais prejudicados – Imagem: iStockphoto
Apoie Siga-nos no

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) registrou crescimento de 1,17% em julho na comparação com o mês anterior. O resultado foi divulgado pelo Banco Central (BC) nesta quinta-feira.

O IBC-Br é considerado uma espécie de prévia do PIB por calcular o índice de atividade econômica, mas usa metodologia diferente do IBGE, responsável pelo número oficial.

Depois de crescimento de 0,93% em junho, julho é o segundo mês seguido de alta no IBC-Br. Em maio, a queda registrada foi de 0,27%.

No acumulado do ano, o crescimento da atividade foi de 2,52%. O mercado projeta elevação de 2,39% para o PIB deste ano, de acordo com o relatório Focus publicado na segunda-feira. Para 2023, a expectativa é de alta de 0,5%.

O desempenho do setor de serviços vem puxando o resultado da atividade econômica nos últimos meses. Responsável por cerca de 70% do PIB, o setor avançou 1,1% em julho, principalmente por conta do transporte e TI.

Já no varejo, houve queda de 0,8% em julho contra o mês anterior. Foi a maior redução para o mês e quatro anos e reflete a diminuição das compras no mercado. O único segmento a apresentar alta foi o de venda de combustíveis, setor beneficiado pelo corte de impostos e pelo teto do ICMS.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo