…

Política de valorização do Mínimo termina com aumento reduzido

Economia,Política

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto na noite do dia 1º de janeiro fixando o valor do salário mínimo para 2019 em 998 reais. A previsão de Orçamento deixada pelo Congresso Nacional previa que seriam 1006 reais. Mudanças em prévias de índices inflacionários justificaram a redução imposta pelo presidente da República.

Este reajuste marca o fim da chamada política de valorização real do salário mínimo, que durou 11 anos. Em 2007, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva criou uma política permanente de valorização do salário mínimo até 2023. Uma estruturação de longo prazo para a recuperação do valor do piso nacional.

Essa política tinha como critérios o repasse anual da inflação do período entre as correções, acrescida por um aumento real do valor, acima da inflação, atrelada à variação do PIB (Produto Interno Bruto). Resultou em tornar Lula o presidente que maior aumento real concedeu ao salário mínimo dessde a redemocratização.

Tal política foi mantida pela presidenta Dilma Rousseff, deveria durar até 2023, mas teve sua interrupção prematura anunciada após o deposição da presidenta eleita em 2016. Neste ano, o ministro da Economia, Paulo Guedes, deverá anunciar qual será a nova política de reajuste do salário mínimo sob o governo Jair Bolsonaro. O presidente tem até abril para definir as bases de cálculo.

O ex-presidente Lula, em 2007, criou a política de valorização real do salário mínimo. Ela acabou (Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula)

Até agora, fato é que Paulo Guedes já deixou claro que irá travar correções automáticas ou indexadas, para “evitar gastos desnecessários”. Segundo o ministro, o valor do mínimo está atrelado a diversos pagamentos e obrigações do governo federal. Assim, conceder aumentos reais em seu valor comprometeria por demais as despesas públicas.

Leia também: Em que mundo vive Paulo Guedes?

“Hoje, no Brasil, está tudo ligado ao salário mínimo. Vocês viram desde o começo que eu disse que o responsável pela inflação, pela vulnerabilidade cambial, pelos juros altos, pelos impostos elevados, pela corrupção na política é o excesso de gastos públicos. É evidente que eu sou a favor de um teto para os gastos”, disse o ministro em entrevista coletiva à imprensa, em outubro do ano passado. É esperar para ver.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor-executivo do site CartaCapital.com.br

Compartilhar postagem