Economia

Governo Lula propõe reajuste de 9% a servidores federais da Educação em 2025

Para 2026, a ideia do Palácio do Planalto é que o aumento seja de 3,5%, aplicado a partir de maio

Dweck conta com a liberação de novos recursos para contemplar as categorias mais defasadas – Imagem: Antonio Cruz/ABR
Apoie Siga-nos no

O govverno Lula (PT) propôs aos servidores técnico-administrativos da educação um reajuste de 9% para 2025 em uma nova mesa de negociação com a categoria, nesta sexta-feira 19. O encontro reuniu lideranças sindicais e representantes do Ministério da Gestão e da Inovação, em Brasília.

Esse índice seria incorporado aos vencimentos da categoria a partir de janeiro do ano que vem. Para 2026, a ideia do governo federal é que o reajuste seja de 3,5%, aplicado a partir de maio.

Há 220 mil servidores técnico-administrativos em educação, entre ativos e inativos. Os representantes do Executivo também acolheram a maioria dos pedidos para reestruturação da carreira.

Agora, os líderes devem consultar suas bases sobre os termos apresentados. Não há prazo para que os técnicos se manifestem sobre a proposta.

Para 2024, não há previsão de reajuste salarial, por falta de espaço orçamentário, mas o governo ainda negocia com o conjunto dos servidores do Executivo federal uma proposta de aumento nos valores de benefícios (auxílio-alimentação, auxílio-creche e auxílio-saúde).

Representantes do Ministério devem se reunir ainda nesta sexta com lideranças dos professores de universidades e instituições de ensino superior, com o objetivo de apresentar uma proposta de reajuste para a categoria.

Docentes de universidades, centros de educação tecnológica e institutos federais das cinco regiões do Brasil entraram em greve no último dia 15, após o governo descartar um reajuste. Eles exigem aumento salarial de 22%, a ser dividido em três parcelas – a primeira ainda para este ano e as outras para 2025 e 2026.

Um balanço divulgado pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior na quinta-feira aponta que há 24 instituições paralisadas e outras 11 com indicativo de greve.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo