CartaExpressa

Agência Moody’s mantém nota de crédito do Brasil, mas muda avaliação para positiva

A agência de classificação de riscos sinalizou que pode elevar a nota de crédito do País no futuro

Dinheiro, Real Moeda brasileira José Cruz/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A agência de classificação de riscos Moody’s anunciou, nesta quarta-feira 1, que manteve a nota de crédito do Brasil no nível Ba2, mas mudou a perspectiva da avaliação de ‘estável’ para ‘positiva’.

O nível BA2 coloca o país no chamado “grau especulativo”, indicando um risco maior para investimentos estrangeiros.

Ao indicar um viés positivo na análise a agência sinalizou, no entanto, que pode elevar a nota de crédito no futuro.

“A Moody’s avalia que as perspectivas para o crescimento real do produto interno bruto (PIB) do Brasil são mais robustas do que nos anos pré-pandêmicos, como consequência da implementação de reformas estruturais em vários governos, bem como pela presença de barreiras institucionais que reduzem a incerteza sobre a direção futura das políticas públicas”, diz um trecho de comunicado da agência.

A análise ainda aponto que um “crescimento mais forte” e uma “consolidação fiscal” podem estabilizar o peso da dívida nas contas públicas, mas aponta que “há riscos” para a continuidade dessa melhora.

O Brasil chegou receber o grau de investimento da Moody’s entre 2009 e 2015, e vem se mantendo na nota de crédito Ba2 desde então.

A nota de crédito é usada pelos investidores para avaliar em quais países ou empresas o investimento é mais seguro. Se a nota é mais baixa, o risco é maior, o que, em economia, significa cobrar juros mais altos.

Outras duas agências atuam na concessão do chamado grau de investimento às economias globais: a S&P Global Ratings e a Fitch. Em dezembro de 2023, a S&P elevou a nota do Brasil de BB- para BB. Assim como na escala da Moody’s, o Brasil ficou a dois degraus do grau de investimento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar