Economia

FMI derruba previsão e projeta crescimento de 0,3% do PIB brasileiro em 2022

Para 2023, o Fundo estima um aumento de 1,6% na economia brasileira

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Fundo Monetário Internacional voltou a cortar a projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil em 2022. A estimativa anterior, de 1,5%, caiu para 0,3% na comparação com o crescimento projetado de 2021, de 4,7%.

Trata-se da previsão de crescimento mais baixa dentre todos os países analisados, conforme o documento Panorama Econômico Mundial, divulgado nesta terça-feira 25.

Para 2023, o FMI estima um crescimento de 1,6% no Brasil.

“As perspectivas enfraqueceram no Brasil, onde a luta contra a inflação levou a uma forte resposta na política monetária, que terá um peso sobre a demanda doméstica”, aponta o relatório.

A “forte resposta na política monetária” é uma referência à postura do Comitê de Política Monetária do Banco Central, que vem subindo repetidamente a taxa básica de juros, a Selic. Em 8 de dezembro, o colegiado aumentou a taxa em 1,5 ponto percentual, para 9,25% ao ano – foi a 7ª alta consecutiva. A inflação fechou 2021 com avanço de 10,06%, a 3ª maior do G-20.

Em um contexto mais amplo, o FMI afirma que a economia global inicia 2022 “em uma posição mais fraca do que o esperado anteriormente”, devido ao avanço da variante Ômicron.

O Fundo cortou a previsão de crescimento global para 4,4%, meio ponto percentual a menos que o projetado em outubro.

“O acesso mundial a vacinas, testes e tratamentos é essencial para reduzir o risco de variantes perigosas da Covid-19. Isso requer maior produção de suprimentos, bem como melhores sistemas de entrega e distribuição internacional mais justa”, alertou ainda o FMI.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo